Vice-diretor do Nupem, Professor Francisco Esteves fala sobre os desafios de tornar a UFRJ no interior em uma referência nacional - Divulgação

Professor e pesquisador Francisco Esteves foi um dos pioneiros na cidade ainda na década de 80

Um dos grandes nomes do Instituto de Biodiversidade e Sustentabilidade Nupem/UFRJ, o vice-diretor, professor e pesquisador Francisco de Assis Esteves, falou recentemente à Associação dos Docentes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ADUFRJ) sobre a experiência da interiorização da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Ele foi um dos pioneiros na cidade. Em 1983, iniciou as pesquisas na Capital do Petróleo. Quem vê hoje o Nupem com laboratórios e toda infraestrutura necessária, não imagina que antes tudo era feito com poucos recursos. “Viajava dirigindo uma kombi azul com alunos, equipamentos de pesquisa e barracas. Eram 14 horas na estrada”, relembra. “Quando a universidade pública vai para o interior, ela promove o desenvolvimento da região. Assim aconteceu com Piracicaba, Londrina e São Carlos. Se a gente conseguir organizar o que já temos em Macaé, a UFRJ pode servir de modelo para outras universidades. Precisamos transformar todo aquele investimento que a universidade já fez em desenvolvimento”, explica Esteves.

Ele enfatiza que até hoje enfrenta muita resistência para que isso ocorra. “Apesar disso, conseguimos provar que é possível a universidade fazer interiorização com excelência no ensino, na pesquisa, na extensão. O NUPEM/UFRJ é nosso exemplo concreto. Ainda há quem acredite que a UFRJ é uma universidade somente da capital. Isto é um grande equívoco. Temos compromisso com a construção da nação brasileira”, avalia.

Francisco Esteves fala sobre os avanços da interiorização da UFRJ. “Hoje realizamos pesquisas de excelência com compromisso social para desenvolver a região e que impactam diretamente na vida das pessoas. Formamos excelentes quadros. Temos projetos de extensão com estudantes das escolas públicas, com professores da rede estadual. A universidade está atuante e plena na sua missão institucional de promover o bem estar dos cidadãos brasileiros que vivem em Macaé e região”, conta.

O vice-diretor analisa os dois extremos entre o Nupem, que apresenta uma grande infraestrutura, e o campus na Cidade Universitária, que sobre com alguns problemas, como a falta de professores, por exemplo.

“Houve dois problemas centrais. A gestão ficou aquém dos desafios que a implantação de um campus nos impõe. Haveria necessidade de termos um conjunto de professores da UFRJ experientes em interiorização. O outro problema é que a grandeza do projeto exige mais presença da administração central nos novos campi. Nossa missão inegociável é criar em Macaé uma universidade nos padrões acadêmicos, que é a tradição da UFRJ, e não uma universidade que funcione como um colégio”, ressaltou.

Por fim, o professor explica que não há um segredo sobre o caminho a ser seguido para o desenvolvimento da instituição no interior. “É só seguir o modelo exitoso do NUPEM/UFRJ, ou o modelo USP/Ribeirão Preto, da Federal de São Carlos, da Unicamp, da Federal do ABC. Há muitos exemplos. Por que não seguir um destes?”, finalizou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here