Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Sessão extra após feriado do Trabalhador gera polêmica

Polêmica que abriu a sessão de ontem gerou até proposta de mudança do regimento

Em 26/04/2018 às 12h43


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

No final da ampla discussão, sessão será realizada na sexta No final da ampla discussão, sessão será realizada na sexta
A realização de uma sessão extra ao calendário prévio de reuniões em plenário prevista para este ano, gerou ontem (25) um intenso debate logo na abertura dos trabalho do Legislativo.

A proposta, lançada pelo vereador Julinho do Aeroporto (MDB), acabou sendo reforçada por Maxwell Vaz (SD), e desencadeou argumentos que chegaram até a propor mudanças no regimento interno da Casa.
A ideia apresentada por Julinho era a realização de uma sessão na quinta-feira (3), para compensar o feriado do Dia do Trabalho (1º), na terça-feira.

"Nós já havíamos combinado com a presidência da Casa realizar essa compensação. Teremos um recesso de 100 dias neste ano. E uma sessão que deixa de acontecer, traz um acúmulo muito grande de trabalhos para nós. É muito oportuno para o plenário", disse Julinho.

Ao decidir colocar a proposta em votação do plenário, o presidente da Câmara, Dr. Eduardo (PPS) apontou que o caso exige a apresentação de uma emenda ao regimento interno da Casa, tornando a compensação das sessões em dias de feriado, como procedimento oficial do parlamento.

"Será uma sessão extraordinária, já que terça é feriado. Mas é regimental as nossas sessões marcadas para terças e quartas-feiras. Acredito que seja o caso de prepararmos uma emenda ao regimento interno para que isso seja regulamentado. Em dias de feriado, que a sessão seja realizada no dia seguinte", defendeu o presidente.

Marcel Silvano (PT) defendeu a proposta da compensação, e propôs que a reunião tenha como foco o debate sobre a atual situação do trabalhador na cidade.

"Eu acredito que a proposta é pertinente, devido ao grande volume de produtividade dos vereadores, e isso faz com que haja demora na discussão de todos os projetos. É combinado nosso a realização de sessões extraordinárias para agilizar as pautas de votação de requerimentos. E não foram poucas as vezes que corremos o risco de não ter quórum nesses debates. Em uma extraordinária, não há a exigência de presença e isso pode atrapalhar a proposta de se atualizar os debates", argumentou Marcel.

Já Paulo Antunes (MDB) afirmou que a sessão proposta para quinta deveria ser feita através de convocação de sessão extraordinária, com pauta definida.

"Eu proponho também que o grande expediente da sessão de quarta-feira (2) seja dedicado apenas à questão do trabalhador", defendeu.

Diante da polêmica, Julinho chegou a solicitar a retirada do requerimento de votação.
Mas, o líder da Frente Parlamentar Macaé Melhor, Maxwell Vaz (SD), fez a mesma proposta, definindo a pauta da sessão extraordinária, os direitos e prejuízos dos trabalhadores.

"Eu incluo a mesma proposta. A de realização de uma sessão extraordinária, na quinta-feira, para que possamos discutir as questões do trabalhador. Avaliar a situação dos servidores do município, o atual impasse dos aposentados da Petros, de todos os trabalhadores da cidade", destacou Maxwell.

A proposta foi mantida pelo plenário, com o aval dos demais parlamentares da Casa.

"Discutir o trabalhador é essencial para este município. Mas não podemos dizer aqui palavras vazias. Nós produzimos, discutimos, realizamos sessões extraordinárias, e não há qualquer resposta do governo. E isso esta Casa precisa se posicionar", apontou Luiz Fernando (PT do B).

Após polêmica, o plenário votou e aprovou a realização de uma sessão extraordinária, na sexta-feira (4), com a pauta específica para a discussão sobre a atual situação e condição do trabalhador no município.

O plenário também aprovou a sugestão de Paulo Antunes de garantir o grande expediente da sessão de quarta-feira (2) em homenagem aos trabalhadores. E a presença de representantes dos sindicatos da Guarda, da Educação e dos Servidores foi proposta por Marcel Silvano.

Autor: Márcio Siqueira marcio@odebateon.com.br

Foto: Wanderley Gil


    Compartilhe:

Tags: política


publicidade