Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Maioria das praias segue imprópria para o banho

Segundo o Inea, apenas Cavaleiros e Pecado estão liberadas. Campista e Imbetiba seguem com restrições

Em 17/02/2018 às 16h14


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Placas em pontos estratégicos foram instaladas para orientar os banhistas sobre as condições da água Placas em pontos estratégicos foram instaladas para orientar os banhistas sobre as condições da água
O horário de verão termina à meia-noite de domingo (18). Em Macaé, como a previsão é de tempo quente, muitos devem aproveitar o final de semana para ir à praia. Diante disso, é sempre importante estar atento às condições da água. 
De acordo com o último boletim de balneabilidade (nº 3 de 30 de janeiro de 2018) divulgado pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), órgão responsável pela coleta e análise das amostras da água em todo o litoral fluminense, a maioria das praias está imprópria para o banho na Capital do Petróleo.

São elas: Forte, Barra, Aeroporto, Barreto e Lagomar. Já as praias Campista e Imbetiba apresentam trechos com restrições. No caso da primeira, o banho deve ser evitado na altura da Avenida Atlântica, nº 1622. Na segunda, está impróprio o trecho da Avenida Elias Agostinho, nº 500. Estão próprias apenas as praias do Pecado e Cavaleiros. 

Segundo o Inea, a avaliação das condições de balneabilidade das praias é feita com base na resolução CONAMA 274/2000, onde são verificados os níveis de bactérias de origem fecal (coliformes fecais ou enterococos) nessas amostras coletadas de água.

Ou seja, uma praia é considerada imprópria para banho quando dois ou mais resultados dos cinco últimos se encontram acima de 1000NMP/100mL de coliformes ou 100NMP/100mL de enterococos; ou quando o último resultado se apresenta acima de 2500NMP/100mL de coliformes ou 400 NMP/100mL de enterococos (NMP é uma unidade de medida e significa Número Mais Provável).

Ele explica que dentre os diversos fatores que podem afetar na balneabilidade de uma praia podem-se destacar: a localização geográfica da praia (praias no interior de baías e praias oceânicas), a pluviosidade (incidência de chuvas), a proximidade com o deságue de rios e canais, e o extravasamento de galerias pluviais.

Durante o período chuvoso podem ocorrer resultados elevados devidos ao escoamento superficial da água, assim como pela drenagem das galerias pluviais, que tem como destino os rios, lagoas e o mar.


Placas de sinalização

Com o objetivo de informar a população sobre as condições das praias em todo o município, a prefeitura, em colaboração com o Inea, instalou placas em vários trechos da cidade. Segundo a secretaria Municipal de Ambiente e Sustentabilidade, no momento, foram implantadas placas em algumas praias, no entanto, em breve, todas deverão ser contempladas.

O objetivo é divulgar se a determinada praia está ou não própria para o banho, com base nos resultados divulgados pelo Inea. Ela ressalta que a medida visa ajudar o cidadão a estar informado, uma vez que a  responsabilidade de sinalizar as praias quanto a balneabilidade é do Inea. 

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: cidade


publicidade