Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Loteamento na área rural sofre com a falta de infraestrutura

Quinta da Boa Vista, na Virgem Santa, apresenta problemas de saneamento, buracos e falta de lazer

Em 22/01/2018 às 12h06


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte


Moradores reclamam que até serviços básicos de manutenção não são realizados no bairro


Um loteamento em fase de expansão, mas pouco conhecido pela maioria das pessoas em Macaé. Quem vê a situação atual do Quinta da Boa Vista, na Virgem Santa, chega a acreditar que a região passa despercebida, principalmente pelo poder público. 
Distante do Centro, e também dos investimentos em infraestrutura, quem reside ali diz estar cansado do descaso e abandono do poder público.

A nossa última visita ocorreu há cerca de 10 meses. O tempo passou e nada mudou.
Diante disso, essa semana o Bairros em Debate voltou ao local, onde pôde compreender o drama de quem escolheu viver ali. Apesar de contar com a tranquilidade, por estar rodeada pela área rural, e boas casas, quando o morador sai de sua residência enfrenta inúmeros problemas.


Buracos lideram lista de reclamações 

O assunto é o mesmo, o que muda é apenas o lugar. Nos últimos meses têm sido frequentes as reportagens referentes aos buracos nas vias da cidade. O problema resulta muitas vezes em acidentes e/ou danos aos veículos.

E no loteamento Quinta da Boa Vista, por mais que o jornal venha acompanhando os transtornos gerados por isso, a situação não tem sido diferente, pelo contrário, é pior do que se imagina. Os moradores relatam os problemas gerados pelas péssimas condições das ruas. 

Via principal de acesso ao loteamento apresenta inúmeras crateras


"Aqui nem em época de eleição é lembrada pelo poder público. A única coisa que sabem fazer é cobrar os impostos. Moro aqui há anos e nunca vi as melhorias. As nossas ruas estão cada dia mais intransitáveis. A principal é uma das mais críticas. A subida, por onde passa o ônibus, está tomada pelas crateras. Qualquer hora seremos prejudicados com o transporte público porque nem os coletivos vão conseguir passar mais por ali. Carros são poucos que ainda arriscam. Todas as entradas do bairro estão precárias. O que deixa a gente indignado é o pouco caso da prefeitura. Enquanto a gente sofre aqui com problemas na acessibilidade, bairros da área nobre estão recebendo asfalto novo. Eles só fazem serviço onde aparece", lamenta Rafael.

Em um dos trechos percorridos pela nossa equipe de reportagem foi notado que não são apenas os buracos provocados pela falta de manutenção que preocupam os condutores. Bueiros sem tampa se tornam uma ameaça para quem passa ali. 

Vale ressaltar também que a manutenção das vias está prevista dentro do Código Brasileiro de Trânsito (CBT), que garante que é dever das autoridades promover um trânsito seguro e de qualidade. De acordo com o Art. 1º "O trânsito, em condições seguras, é um direito de todos e dever dos órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito, a estes cabendo, no âmbito das respectivas competências, adotar as medidas destinadas a assegurar esse direito".

Lazer é um sonho distante 

Quando se trata de diversão, para as crianças e jovens do loteamento a única opção é a rua, tudo isso porque o local não conta com praças e quadras para os menores aproveitarem suas horas livres. 

Sem um lugar adequado, as crianças ficam na rua ou precisam se deslocar para bairros vizinhos. "O nosso sonho era que um dia fosse feita uma praça aqui com quadras e um parquinho. Hoje não temos opções perto. A praça na Virgem Santa está precária. O jeito é deixar os nossos filhos presos dentro de casa ou ir para a praia nos finais de semana", conta o morador.

O lazer é um item fundamental para a saúde, pois controla os níveis de ansiedade e contribui com outros fatores psicológicos e também físicos. No caso de crianças e jovens, isso é fundamental para o seu desenvolvimento. Apesar dos benefícios, no Brasil, mesmo sendo um direito previsto na Constituição Federal de 1988, esse é um item que não está acessível a todos.

Esse direito também está no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que prevê que todo menor de idade tem o direito a ter acesso ao lazer. Segundo o Art. 59, "os municípios, com apoio dos estados e da União, estimularão e facilitarão a destinação de recursos e espaços para programações culturais, esportivas e de lazer voltadas para a infância e a juventude".


Esgoto a céu aberto 

Além dos buracos, quem passa por algumas vias do bairro ainda se depara com outro problema: os vazamentos de esgoto. Um deles, situado na via principal e já denunciado na última edição, continua sem solução. 

Na  última semana, o jornal publicou uma reportagem sobre o problema. Apesar de a prefeitura alegar que a secretaria de Saneamento tinha enviado uma equipe técnica, que realizou vistoria no local, constatando presença de esgoto na rede de drenagem de águas pluviais, possivelmente oriunda de ligação clandestina, nenhuma medida foi tomada desde então.

Problema de esgoto denunciado há um ano segue sem solução 


Ainda segundo a prefeitura, a partir da situação constatada, foi solicitada à BRK Ambiental, secretaria de Serviços Públicos e secretaria de Ambiente e Sustentabilidade ação conjunta, a fim de viabilizar a verificação in loco e prospecção no interior da rede. Caso sejam confirmadas possíveis ligações clandestinas, serão aplicadas as medidas cabíveis. 

"A vala de esgoto chega a prejudicar a passagem dos carros. O máximo que fazem é vir, sugar os dejetos, mas eles sempre acabam voltando. O que a gente quer é uma rede, com tratamento, que atenda o bairro. Por sorte não tem casa nas proximidades, mas existe a nossa preocupação, pois é um problema ambiental e de saúde pública", reclama Rafael.
Sem pavimentação, os dejetos acabam infiltrando no solo, podendo comprometer também o lençol freático, além de colocar em risco a saúde da população. 

De acordo com a ONU (Organização das Nações Unidas), o saneamento é um item fundamental para redução da pobreza, melhoria das condições de vida das pessoas e para o desenvolvimento sustentável. 
Além do mau cheiro, a exposição desses dejetos compromete a saúde das pessoas, podendo vir a causar doenças. Ele também contribui para diversos problemas ambientais, entre eles, a poluição do lençol freático, e serve de criadouro para animais, como mosquitos e ratos.


UBS segue abandonada

Há cerca de duas semanas, o jornal denunciou o abandono das obras da Unidade Básica de Saúde (UBS) - Tipo um. Segundo a prefeitura no ano passado, a previsão era de que o serviço seria finalizado em dezembro de 2017. 

UBS segue sem previsão de quando obras serão retomadas 


Após a nossa equipe de reportagem retornar há poucos dias ao local e comprovar que, além de não terem sido concluídas, elas estavam paradas, a prefeitura informou que a previsão de retorno das obras é para este mês ainda. O governo municipal já notificou a empresa para reinício dos serviços. Caso a mesma não retorne com o trabalho, serão tomadas as providências legais.

Antes do prazo de dezembro de 2017, a construção, orçada em cerca de R$ 800 mil, deveria ter sido entregue em 2016. A obra está sendo construída na Rua Leôncio Rodrigues, em um terreno público cedido pela prefeitura. 

O que diz a prefeitura

Procurada, a secretaria de Obras informou que, em relação aos buracos e esgoto, verificará memorial do loteamento para apurar responsabilidades. Verificada a ocorrência de irregularidades, o poder público tomará as medidas cabíveis.

Quanto a limpeza do bairro e a manutenção dos bueiros, a prefeitura diz que o trabalho é contínuo no município, porém, a secretaria Adjunta de Serviços Públicos informou que vai enviar uma equipe para  verificar a situação do local.

A Secretaria de Infraestrutura informa que solicitações e reclamações devem ser realizadas pelo telefone (22) 2796-1235 ou via Ouvidoria do município, por meio do site da prefeitura, no link intitulado Ouvidoria Geral. O contato também pode ser feito por telefone, no número 162 (ligação local e gratuita) ou no (22) 2772-6333. O atendimento ainda pode acontecer pessoalmente, na sede da Ouvidoria, que funciona no Centro Administrativo Luiz Osório, Av. Presidente Sodré, 466, primeiro andar.

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: bairros em debate


publicidade