Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Projeto do Nupem/UFRJ promove a troca de saberes no Parna Jurubatiba

Curso de Cinema Ambiental vai além do coletar dados, produzir e conhecer diferentes realidades de pessoas que de uma forma ou de outra compõem a história do Parque Nacional

Em 11/10/2014 às 09h14


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Imagem do lançamento do Filme "Um dia Novinho em Folha" Imagem do lançamento do Filme "Um dia Novinho em Folha"
Uma iniciativa de criação de filmes ambientais produzidos de forma coletiva vem sendo desenvolvida desde 2011 com o propósito de difundir os saberes e vivências regionais no cenário do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba.
Assim é o projeto intitulado "Personagens do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba", desenvolvido pelo Laboratório de Cinema Ambiental do Núcleo de Arte, Mídia e Educação (AME) da UFRJ-Macaé, por meio do Curso de Cinema Ambiental (CUCA). 

O intuito da primeira fase do projeto é buscar uma compreensão da relação entre a sociedade, a natureza e a implementação das políticas públicas ambientais, como a criação de Unidades de Conservação. 

Por meio deste projeto já foram produzidos seis filmes com diferentes pessoas de Macaé, Carapebus e Quissamã. Cada filme é produzido durante um curso prático de 40 horas e o resultado final é o registro único em seu gênero de pessoas que apresentam grande conhecimento sobre os ecossistemas que compõem o fascinante Parque Nacional. 
Nesta reportagem um dos coordenadores do Projeto, Rafael Nogueira Costa fala um pouco sobre o que essas produções representam não só para a universidade, mas para o município conhecido mundialmente como a Capital Nacional do Petróleo e para o próprio Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba.

Para ele, os filmes representam uma espécie de inversão na prática da educação ambiental. "Se no final da década de 1970 estávamos preocupados em transmitir conhecimentos para as comunidades, no início deste século é papel da universidade promover o diálogo dos saberes. Essas pessoas que estamos registrando nesta série de documentários sabem muito sobre os ecossistemas que o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba protege e aprendemos muito com as diferentes relações que estão sendo estabelecidas com este espaço público tão importante para todos nós", destaca. 

Rafael pontua ainda que para a produção, a equipe entra no cotidiano das pessoas e busca representar as diferentes relações entre natureza e sociedade. "Com esse projeto estamos abrindo a Universidade para a comunidade, proporcionando o acesso às dependências da instituição, além de promover espaços comunicativos durante as filmagens e as projeções dos filmes", enfatiza.

Questionado sobre sua maior satisfação, o docente disse que é saber que essa série de documentários está sendo construída de forma coletiva, dentro de um contexto educativo e de formação de intelectual, no qual os envolvidos sejam eles os personagens, os produtores e os espectadores possam aprender nesta troca de conhecimento. "Além disso, estamos estabelecendo uma relação de profundo respeito com os personagens registrados e construindo um patrimônio cultural para o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba", pontuou.

Para o atual Diretor do NUPEM, Rodrigo Nunes da Fonseca desde suas origens o NUPEM tem apoiado a divulgação científica. Para o diretor "os pioneiros do NUPEM como o Professor Francisco Esteves tiveram papel fundamental na criação do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba. Ver o retrato dos personagens cotidianos da nossa região nos filmes realizados neste projeto é muito importante não só para o NUPEM, mas para a memória de todos os municípios da região.  Filmes são eternos e é com grande orgulho que temos esse projeto em andamento", enfatiza Rodrigo. 
Sobre a importância deste tipo de realização para a UFRJ, Rodrigo aponta que a UFRJ em Macaé é uma universidade voltada para a geração de conhecimento com enfoque regional, em particular no conhecimento da biodiversidade do PARNA e no desenvolvimento sócio-ambiental de Macaé e região. 

"Esperamos que o CUCA permaneça muito tempo no cenário de Macaé e região e que outros projetos com temática regional surjam nos próximos anos", disse Rodrigo Nunes da Fonseca, Diretor do NUPEM. 
Todos os filmes deste projeto estão sendo desenvolvidos com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão da UFRJ (PR5), pelo edital n° 02/2013 Pró-Cultura 2013, projeto: Cinema Ambiental: Educação e Políticas Públicas, coordenado pelo Professor Rafael Nogueira Costa. Para conhecer mais sobre o projeto visite a página www.cuca.bio.br  

Seis filmes já produzidos e um em fase de finalização 

Iniciado em 2011 o projeto já conta com seis filmes produzidos e um em fase de conclusão. As filmagens são realizadas no Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, ao decorrer do curso. A montagem dos filmes acontece nas dependências do Núcleo de Arte, Mídia e Educação (AME), no Polo Barreto (NUPEM/UFRJ) e os produtos do CUCA são todos catalogados na Biblioteca Nacional e na Agência Nacional de Cinema (ANCINE), fazendo parte do acervo audiovisual da UFRJ Macaé.

O Curso de Cinema Ambiental mistura diversas áreas do conhecimento, funcionando como um laboratório coletivo.  As atividades têm duração de uma semana de troca, colaboração e trabalho em equipe. Filmes já produzidos e suas sinopses: 


1º - "Areia de Quissamã" - Criado com a Dona Leninha de Quissamã. O filme retrata a relação de amor de uma senhora de 70 anos com o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba. E  aborda o aspecto histórico da vida da Dona Leninha, além de registrar o seu envolvimento com a preservação da natureza e com o registro da memória local, Quissamã (RJ). 





2º - "Jorge Poema"- Conta um pouco a história do Parque sob o ponto de vista de Jorge, filho caçula de uma família de pescadores e agricultores, semianalfabeto, que se torna um poeta da natureza. Foi após a criação do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, situado na região Norte Fluminense, que Jorge começou a se destacar como interlocutor entre os pescadores e o plano de manejo imposto pelo governo





3º - "Retira-te" - Após a criação do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, o empresário e fazendeiro Satiro Fogaça de Araújo vê o seu sonho, a construção da Fazenda Retiro, se transformar em uma luta com a justiça. A disputa pela indenização já dura aproximadamente quinze anos.       







4º - "Um dia novinho em folha" - É o registro do Ilzimar Bandeira Rodrigues, conhecido como IBR. Um cineasta amador e professor da rede pública. A fórmula deste educador é uma folha em branco, lápis de cor, crianças, o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba e muita criatividade. Assim ele vai preenchendo o branco do Bairro Lagomar.   






5º - "Memórias da Restinga" - Neste documentário, três amigos de infância, Zeca de Canjica, Democa e seu Domingos, compartilham suas memórias cotidianas, fruto de 80 anos de convívio e interação com a restinga de Quissamã-RJ, há quinze anos transformada em Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba.






6º - "Os Bambas" - É o registro do casal Dona Maria e Seu Jorge de Carapebus. Para a realização deste filme estiveram presentes nomes importantes no cenário cinematográfico nacional e internacional como Silvio Da-Rin (cineasta brasileiro) e a Juliette Yu-Ming (cineasta e antropóloga da Cingapura). 



Autor: Juliane Reis Juliane@odebateon.com.br

Foto: Divulgação


    Compartilhe:


publicidade