Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Nupem participa de reunião no CNPq

O encontro teve como objetivo avaliar a eficiência, os avanços e as melhorias dos Programas de Pesquisas Ecológicas de Longa Duração (PELD)

Em 01/08/2012 às 18h21


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Pesquisadores de Macaé participaram do encontro e falaram das pesquisas realizadas no Parque Jurubatiba  Pesquisadores de Macaé participaram do encontro e falaram das pesquisas realizadas no Parque Jurubatiba
Pesquisadores do Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento Socioambiental de Macaé (Nupem) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) - campus Macaé participaram na última semana de um encontro no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).  A reunião contou com aproximadamente 30 profissionais que lideram Programas de Pesquisas Ecológicas de Longa Duração (PELD) em 26 sítios de pesquisa espalhados por todo o país e teve como objetivo avaliar a eficiência, os avanços e as melhorias para a continuidade do Programa. 

De acordo com a assessoria da UFRJ, o NUPEM/UFRJ teve destaque entre as apresentações dos sítios PELD por ter sido uma das instituições que, em 1996, concebeu este programa e por congregar a maior gama de linhas de pesquisa atualmente em cursos voltados ao funcionamento e à biodiversidade de ecossistemas tropicais em face às mudanças climáticas. 

Os profissionais têm como inspiração o Parque de Restinga mais bem preservado do país - o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, criado em 1998. A pesquisa na unidade de conservação é conduzida por cinco profissionais sob a coordenação do Professor e diretor do Nupem, Franscisco Esteves, e da professora Ana Cristina Petry. 

A equipe foi representada na reunião pelo Professor e Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Conservação (PPG-CiAC), Pablo Rodrigues Gonçalves, que frisou a ligação entre o PELD e o PPG-CiAC do campus Macaé como um dos impactos mais contundentes do projeto nos últimos anos, além das intensas atividades de difusão científica e atuação junto à gestão do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba.

As atividades foram realizadas entre os dias 25 e 27 de julho, com o intuito de levar os participantes a uma reflexão sobre questões ambientais. 

Na oportunidade, foram discutidos diversos pontos, tais como a avaliação de como as mudanças climáticas globais irão afetar a qualidade de vida das populações humanas? Que diversidade de espécies e ecossistemas conseguirá coexistir com nossos modos de vida? Como conduzir pesquisas que transcendam o tempo de existência de editais, governos, agências de fomento, teses e pesquisadores? Vale a pena o investimento de dinheiro público em pesquisas desta natureza? Entre outras questões. 

Além das apresentações das pesquisas nos 26 sítios, a reunião contou com a participação dos professores Paulo Sérgio Lacerda Beirão, diretor de Ciências Agrárias, Biológicas e Saúde (DABS-CNPq), Francisco Barbosa (UFMG), cofundador da iniciativa PELD junto ao Prof. Esteves, David Oren, representando a Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do MCTI, e o Dr. Terry Park, diretor da rede ILTER (International Long Term Ecological Research), sediada na Inglaterra.  

O Programa de Pesquisa Ecológica de Longa Duração

O Programa funciona desde 1998 e já contribuiu para a produção de 1.048 artigos científicos e formação de 1.754 profissionais em 55 pós-graduações, sendo considerado uma das iniciativas mais prolíficas em Ciências Ambientais e que representa uma iniciativa pioneira, constituindo o programa mais duradouro de fomento à pesquisa ecológica já conduzida no país para lidar com questões ambientais que só podem ser respondidas em estudos de longo prazo, como é o caso das mudanças climáticas. 

Entre as principais conquistas da reunião, estão a proposição de um novo edital PELD (2013-2015), visando garantir a continuidade de pesquisas nos sítios e inserção de novos sítios; a criação de um banco de dados público que permitirá análises mais globais dos ecossistemas brasileiros; nucleação de mais recursos e bolsas de estudo aos sítios PELD advindos de parcerias com as FAPs, FINEP e CAPES; e a organização de um workshop para fortalecer as parcerias entre os sítios. 

"O saldo final da reunião foi positivo e evidenciou que não só as pesquisas mas também os investimentos públicos de longa duração em ciência são vitais para a qualidade dos trabalhos em ecologia no país e de respostas aos problemas que ameaçam a sustentabilidade do Brasil como potência no cenário mundial", informou a UFRJ/Macaé.  

Pontos definidos na reunião 

· Proposição de um novo edital PELD (2013-2015);
· Criação de um banco de dados público para permitir análises mais globais dos ecossistemas brasileiros;
· Nucleação de mais recursos e bolsas de estudo aos sítios PELD advindos de parcerias com as FAPs, FINEP e CAPES;
· Organização de um workshop para fortalecer as parcerias entre os sítios. 




Autor: Juliane Reis Juliane@odebateon.com.br

Foto: Divulgação UFRJ/Macaé


    Compartilhe:


publicidade