Em Rio das Ostras, há pacientes entrando no Sistema de Regulação do Estado e sendo transferidos para outros hospitais - Divulgação
De acordo com a Secretaria de Saúde, esta semana o Hospital de Campanha chegou ao limite máximo de ocupação e com menos leitos disponíveis. Isso, na verdade, porque houve a necessidade de uma adequação sanitária e de climatização para ocupar os pacientes em todas as alas da unidade.
De acordo com o subsecretário de Atenção Especializada do Município, Dr. Rodrigo de Freitas Eduardo, todos os leitos que precisaram de adequação estarão disponíveis a partir do fim de semana. No total, o Hospital de Campanha conta com 26 leitos clínicos.

“Os casos vêm aumentando em progressão geométrica em todo o país e são casos muito graves. Estaremos ampliando os leitos na próxima semana. Além disso, o Pronto-Socorro vai voltar a ser todo para atendimentos de Covid-19, incluindo a área de clínica médica, e quando as adequações sanitárias estiverem concluídas no Hospital de Campanha, vamos abrir mais 12 leitos”, explicou.

MUNICÍPIO EM ALERTA – O momento agora é de cautela e compreensão não só da Administração Municipal, como também da população. O avanço nos índices de casos de Covid-19 e de pessoas internadas nas últimas semanas é fato e todos precisam ter o entendimento de que a chance de ocorrer medidas mais duras e regressão de bandeira é grande.

Ao contrário do que ocorreu no início do ano, diversas regiões estão tendo que lidar com uma crise simultânea, pois a doença trouxe um fato inesperado que é de um aumento muito rápido da doença. Em Rio das Ostras, há pacientes entrando no Sistema de Regulação do Estado e sendo transferidos para outros hospitais.

A chefe da Vigilância Epidemiológica do Município, Andréa Viana, reforça que além das medidas administrativas e sanitárias em relação à Covid, é necessário que haja uma mudança de comportamento da população, pois o desafio é imenso.

“Houve um aumento progressivo nos últimos dias e os números estão nos boletins diários. A flexibilização foi ocorrendo quando os números estavam mais baixos e agora muitas pessoas que não pegaram a doença estão se contaminando. Com a flexibilização, a população também relaxou nas medidas de proteção. Ainda não temos vacina, por isso é importante que todos evitem sair de casa e se expor. Precisamos levar a sério a prevenção, com o uso de máscara, distanciamento, higienização das mãos e evitar, principalmente, as aglomerações. Se isso não parar, pode ser desastroso, sobretudo nos leitos públicos e também nos privados”, finaliza Andréa.

Fonte: Site Prefeitura de Rio das Ostras

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here