Rede hoteleira mostra sinais de recuperação - Divulgação

Grande movimentador da economia local, cenário continua desafiando o mercado hoteleiro

Está quase chegando o décimo mês de 2020. Ano o qual as perspectivas para o mercado hoteleiro eram as melhores possíveis se não fosse a crise sem precedentes diante da pandemia do coronavírus, que resultou na era chamada de “novo normal”. Em Macaé, os planos também foram modificados e a categoria não saboreou as boas estimativas. Hoje, o setor segue se recuperando em meio ao cenário atípico.


Segundo o Gestor de Hotéis, Gesionildo Borges, a rede hoteleira se mantém com desafios. “Os hotéis localizados no Centro continuam com dificuldades de aumentar as suas ocupações, configurando uma situação dramática, visto estarem batendo entre 10% a 15% somente de ocupações mensalmente. Já os hotéis situados na orla da Praia dos Cavaleiros, estão tendo perspectivas melhores, devido ao fato da orla ser um atrativo e sediar os melhores hotéis da cidade, com padrões de rede internacional e maiores redes do estado”, ressalta.


De acordo com Borges, além da ocupação maior, a procura pelos hotéis à beira mar também supera. Entretanto, essa melhor ocupação não garante ou caracteriza uma situação favorável, já que todos seguem num momento crítico, não conseguindo ainda uma alavancagem de clientela para ocupação nesse tempo em que não há demanda suficiente.


Quanto às contratações, a situação continua mínima, pois é preciso aumentar o índice de ocupação pelos hotéis e, assim, se manter, ao ponto de justificar a contratação de mão de obra. “Para o fim de ano, a perspectiva não é ruim. Está havendo uma grande procura para as festas. Empresas, guias com excursões, entre outros, estão retomando e renegociando. Temos, inclusive, um hotel beirando 60% de ocupação”, pontua.


Borges salienta ainda a diferença entre a rede hoteleira e os restaurantes da cidade que, intensificaram os serviços através do delivery nos últimos meses de atividades presenciais paralisadas em virtude do isolamento social, principal medida de combate à disseminação da COVID-19, e que vêm tendo uma procura melhor ainda em comparação ao mercado hoteleiro. “Na parte dos restaurantes, vemos um aumento da procura pelas pessoas locais, e isso é bom também. Além de diversificar pelo delivery, agora vem tendo procura presencial por parte da população, e essa reação tem sido muito melhor em relação aos hotéis”, finaliza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here