caderno-dois-odebateon-macae-teatro-rinha-das-artes
Ademir Martins está nos palcos e salas de aula ministrando cursos há mais de 40 anos. Tem sua bagagem recheada de prêmios como dramaturgo, ator, diretor e coreógrafo.

Acontece em Macaé o Workshop de Interpretação intitulado ‘O Corpo no Ato’, ministrado pelo ator, compositor e diretor de teatro e coreógrafo Ademir Martins

Uma nova porta se abre no mundo do teatro aos talentos do município. Acontece em Macaé o Wokshop de Interpretação intitulado ‘O Corpo no Ato’, ministrado pelo diretor, dramaturgo, ator e compositor Ademir Martins, que coloca mais uma vez em evidência na cidade. O evento acontece no próximo sábado (16), das 10h às 17h (uma hora de almoço) no Teatro Rinha das Artes.

Quem não quiser ficar de fora desta expressiva realização deve se apressar e fazer sua inscrição através da Tear Produtora (e-mail: tearprodutora@yahoo.com.br ou telefone (22) 99842-6891.

“Artistas ou não, somos todos expressivos a ponto de podermos afirmar que ‘expressão corporal’ é pleonasmo. Mesmo dormindo, nosso corpo expressa”, ressalta Ademir Martins, esclarecendo que a diferença entre o artista de palco e o ‘artista’ da vida é que os de palco necessitam de uma preparação diferente. Seu corpo deve estar em contato consciente com a “ficção”, ou seja, incorporar o faz de conta. “Deve existir uma simbiose entre o ‘eu real’ e o ‘eu fictício”, sem que os dois se anulem. E, como um músico e seu instrumento, isso exige estudo, pesquisa, treino”, frisa o ator.

Tem
sua bagagem recheada de prêmios como dramaturgo, ator, diretor e coreógrafo.

Serviço

Workshop de Interpretação intitulado ‘O Corpo no Ato’
Data: 16 de fevereiro
Local: Teatro Rinha das Artes – R. Dr. Júlio Olivier, 633 – Centro
Inscrições: Tear Produtora – e mail: tearprodutora@yahoo.com.br / Tel: 22 99842 6891
Investimento: R$ 120

‘O Corpo no Ato’

A oficina ‘O Corpo no Ato’ é direcionada a atores que desejam ter clareza a respeito desse processo. Seu corpo deve falar ininterruptamente no espaço cênico como uma outra palavra: uma palavra, literalmente, corporificada. “Ninguém sairá, obviamente, treinado dessa oficina com receitas de bolos e sonhos em seis horas, para no dia seguinte incorporar papéis. Há muitos sistemas e métodos para tal, mas partiremos do princípio de que o corpo desse artista precisa estar preparado, em estado de prontidão”, declarou Ademir Martins.
Ademir prossegue informando o Workshop “O Corpo no Ato” propõe-se a abrir uma porta para o corpo, destacando as seguintes oficinas: – Alongamento, Aquecimento, Improvisos: – O Corpo no Espaço; – O Corpo e os Outros Corpos; – A Imaginação Corporal; – De Fora para Dentro; – De Dentro para Fora; – O Corpo no Ato;

Ademir Martins

Tem
sua bagagem recheada de prêmios como dramaturgo, ator, diretor e coreógrafo.

Diretor, dramaturgo, ator e compositor, Ademir Martins traz consigo uma bagagem cultural inestimável. É formado pelo “Curso de Formação de Atores” da renomada Fundação das Artes de São Caetano do Sul, no ABC paulista, (coordenado pelo grande mestre russo Eugênio Kusnet) e especializado em Interpretação através do curso de Mirta Lunanski e Hugo Perrone, pela União Brasil / Rússia. Ademir tem uma maneira única e singular de enxergar, com imaginação e percepção aguçadas, e caminha com convicção (e flexibilidade) sobre seus propósitos.

A “grande arte de ensinar” é sua tradução mais simples. Sua capacidade e objetividade são capazes de extrair, do mais singelo gesto, a mais linda cena. É muito comum vermos seus alunos em completa paixão, como podemos observar em uma frase dita pelo próprio Ademir, “estava chovendo e a cidade estava um caos, não havia meio de atravessar… quando eu consegui chegar, com quase uma hora de atraso, lá estavam eles, ensaiando sozinhos”, (referindo-se aos Portadores de Alegria, que é um núcleo de dança composto por pessoas com deficiência).

Ele está nos palcos e salas de aula ministrando cursos há mais de 40 anos. Tem sua bagagem recheada de prêmios como dramaturgo, ator, diretor e coreógrafo, e em seus trabalhos como ator, podemos citar “Óxenti… Romi Xinaidi?!” (de Fernando Limoeiro), “Nossa Vida em Família” (de Oduvaldo Vianna Filho), “Forrobodó” (de Vladimir Capella e José Geraldo Rocha), “Calabar – O Elogio da Traição” (de Chico Buarque e Rui Guerra), passagem pela Minissérie “Tarcísio de Glória” entre outros tantos trabalhos no palco. Como diretor, Ademir realizou as montagens “O Menino Marrom” (Adaptação e Direção do conto homônimo de Ziraldo), “Arlequim, Servidor de Dois Amos” (de Carlo Goldoni), “A Encomenda” (de Fernando Limoeiro), “A Cantora Careca” (de Eugène Ionesco), “A Morte do Imortal” (de Lauro Cesar Muniz) “O Despertar da Primavera”, (de Frank Wedekind), “Woyzeck” (de Georg Büchner), “A Grande Imprecação Diante dos Muros da Cidade” (de Tankred Dorst), “O Seu Dom” (show musical de lançamento do CD homônimo da cantora Fernanda Fróes no Tom Brasil), “Possibilidades” (show com a cantora Milena Lizzi, que empresta sua voz a “Emboscada” e “Possibilidades”, composições de Ademir Martins), “O Drama da Salvação”, de sua autoria e direção, para citar algumas.

Participou de vários workshops ministrados por mestres contemporâneos, tais como Augusto Boal e Yves Lebreton. Em seus trabalhos, ministrou aulas de “Interpretação” e “Prática de Montagem”; foi Coordenador do Instituto de Artes e Ciências de São Paulo (INDAC); Professor na Escola de Arte Dramática (ECA/USP); Coordenou e foi professor das disciplinas de “Interpretação e Consciência Corporal” no Curso Técnico em Artes Cênicas da Escola Municipal de Artes Maria José Guedes (EMART), é professor e Diretor Artístico do Núcleo de Dança Portadores de Alegria e Diretor-Fundador do Grupo Casa Velha de Teatro. Premiado em 3 edições do Festival Nacional de Poesia de São Fidelis/RJ junto a atriz Helen de Freitas, seu mais recente trabalho nos palcos foi sob a batuta do grande Diretor Daniel Herz, no espetáculo da Paixão de Cristo, na cidade de Macaé.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here