Agora, sua homenagem eterna será a inauguração de uma galeria na redação do jornal perpetuando seu nome.

Com tristeza e emoção, os macaenses recebem a notícia do falecimento do repórter fotográfico Wanderley Gil, vítima de Covid-19

Macaé amanhece hoje em profunda tristeza e emoção com a notícia da morte do repórter fotográfico Wanderley Gil. Logo na manhã de hoje bem cedo desta quarta-feira (20), a população macaense chorou com a triste notícia do nosso conhecido Leley, vítima de Covid-19.

Em janeiro o fotógrafo ao andar por uma calçada com buracos, teve um queda brusca ao perder o equilíbrio afetando o fêmur. Foi submetido a uma cirurgia no Hospital São João Batista, após ser atendido no HPM. Depois da cirurgia, ele estava em casa se recuperando quando foi acometido por uma forte infecção urinária, tendo que retornar para atendimento médico desta vez Posto de Saúde do Idoso em Imbetiba, onde passou alguns dias internado e, posteriormente, removido para o HPM desde o dia 1º de maio. A necessidade de se submeter a hemodiálise, foi agravando o quadro e nesse ínterim acabou testando Covid-19, continuando internado no HPM com estado muito grave. Foi testado e infectado com o Covid 19 não resistiu a infecção vindo a falecer na madrugada desta quarta-feira. O sepultamento foi marcado para às 11h30 no Cemitério Memorial Mirante da Igualdade sem velório.

Muito emocionado, o Diretor do jornal O DEBATE, Jornalista Oscar Pires, ressaltou que a sua morte é uma notícia triste para todos os macaenses. “Wanderley Gil, foi um exemplo de homem, de caráter, de muita fibra, sempre fazendo o impossível para conseguir os registros que muito sensibilizou aos macaenses importantes ou não, e que marcaram sua vida. Era exemplo do pai, da mãe que adorava e dos irmãos. Buscava, com sua sensibilidade através das lentes de seus equipamentos, transformar uma imagem que valia por mil palavras. Sempre disposto a buscar o quase impossível, Wanderley Gil marcou a história de Macae e dos macaenses, nos últimos anos de sua profissão. Além de sugerir para os jornalistas de plantão excelentes pautas, e apesar do Mal de Parkson, era dono de uma memória impressionante, narrando detalhes que graças ao seu talento, ilustrava as matérias. Desde as máquinas fotográficas para registros em preto e branco, revelados por ele em laboratório, passando pela era da fotografia colorida e tempos depois no sistema digital que hoje domina o mundo, Wanderley Gil, acometido do mal de Parkson há algum tempo, não encontrava dificuldades em participar e registrar importantes eventos deixando sua marca nas páginas de O Debate, onde virou um símbolo como repórter fotográfico” declarou Oscar Pires, acrescentando que “de madrugada, nos primeiros momentos que o sol raiava, Wanderley Gil estava em“algum lugar esperando o belo momento da natureza, até o por do sol, registrando a beleza das nuvens evoluindo como fogo a cada momento de maneira diferente, quadro proporcionado pelo sol rei. Também os importantes eventos sociais foram registrados por Gil. Difícil, neste momento de profunda dor, descrever sua personalidade como homem, como pai, como amigo, incansável em buscar e fazer o bem. “O acervo de fotos de O Debate desde 1983, é riquíssimo e sempre solicitado para expor. Gil, como era carinhosamente chamado pelos colegas, sempre retribuía com um sorriso, quando a ele era atribuída uma difícil missão. Quase todas, senão todas as ilustres figuras do mundo político desde presidente da República, governadores e prefeitos além de vereadores, foram alvos da implacável lente fotográfica de Wanderley. “Não é fácil, neste momento de dor, falar dessa figura ímpar, que nos deixa num momento conturbado, para ser lembrado por todos os que passaram ou passarão pela redação de O Debate, que terá a sua foto inaugurando a galeria dos bons profissionais que nesses 44 anos de fundação do jornal, marcou e ficou marcado como exemplo de carinho, solicitude, companheiro de todas as horas e que carregava em seu coração o símbolo do amor.”

Em nota oficial, a Prefeitura de Macaé disse que lamenta o falecimento do fotógrafo macaense Wanderley Gil. “Considerado uma referencia entre os profissionais que atuam na imprensa, Leley, como era popularmente conhecido, se apaixonou pela fotografia com o pai, também fotógrafo, Wanderley Silva, que o presenteou com uma câmera. A partir desse momento, Gil desenvolveu um olhar apurado e cheio de sensibilidade, que marcou sua carreira. Wanderley Gil fotografou grandes momentos de Macaé e também suas belas paisagens, uma de suas grandes paixões Neste momento de dor, a gestão municipal se solidariza com familiares e amigos, e expressa as mais sinceras condolências,”, constou.
A Associação Comercial e Industrial de Macaé (Acim), representada pelo seu Presidente Francisco Navega, enviou nota de pesar à família, destacando que a Presidência e Diretoria lamentam o falecimento do fotógrafo Wanderley Gil, que através de seu olhar apurado soube como poucos registrar as transformações vividas por Macaé na últimas três décadas” disse a nota. E frisou: “Gratidão pela passagem desse grande parceiro, que através da sua lente escolhia sempre o melhor ângulo, suas fotos retratam sempre a história contemporânea de nossa cidade, se misturando como se fosse corpo e alma do jornal O DEBATE. Descanse em paz, nossos eternos agradecimentos”, Falou Navega.


.Já o seu colega de profissão e amigo de muitos anos, Jornalista Rômulo Campos, enalteceu suas qualidades profissionais e pessoais. “Macaé perde Wanderley Gil. Ficamos sem o mais expressivo e dedicado fotojornalista de nossa região. O olhar de Gil sobre a nossa cidade era ímpar e desvendador. Wanderley Gil foi a pessoa mais generosa, mais humana e mais espetacular que eu convivi. Sorte a minha ter desfrutado durante muitos anos de sua amizade. Juntos, travamos inúmeras lutas políticas, culturais e ambientais, sempre buscando o melhor para Macaé e para a nossa região. Agora, sem ele, temo não saber o que fazer daqui para frente. Gil, você vai fazer muita falta”, disse.

A também fotógrafa Claudia Barreto expressou os seus sentimentos e ressaltou que “Macaé fica órfã do olhar carinhoso do amigo e fotógrafo Wanderley Gil. O jornalismo perde o olhar atento desse fotógrafo, que por mais de três décadas tinha no jornal O Debate sua total dedicação. Ficamos todos órfãos, os amigos, o surf, que ele adorava fotografar… e o mar azul de Macaé! Vá na PAZ meu amigo”.

Francisco Agostinho disse que “Wanderley deve ter sido recordista no registro dos momentos mais relevantes da história de Macaé nas últimas cinco décadas. Muito detalhista, sempre repetia as fotos para escolher o melhor ângulo. Agradeço em particular pelos seguintes registros: meu casamento, presidência do Ypiranga FC, presidência da Loja Maçónica Perseverança, presidência da Comissão Municipal da FIRJAN, presidência da nossa gloriosa e centenária ACIM e etc. Por isso e muito mais, deixo junto a essa mensagem, meus votos de pesar e reconhecimento! Descanse em paz!”

Para o jornalista e fotógrafo Tiago Ferreira “Perder um fiel escudeiro não é fácil. Mas tenho certeza que O Debate vencerá mais esta batalha, mesmo com a perda de um grande soldado. Minhas homenagens ao Gil fiz no meu Facebook, lembrando dos tempos memoráveis em que tive a honra de trabalhar no jornal, a minha primeira escola.
Quero desejar muita força a vocês neste momento triste. Pena que o Gil não terá direito a um velório digno, mas Deus sabe de todas as coisas. Forte abraço.”

“Você foi Amigo, Companheiro, Patrão, Solidário, Gente. Parabéns, companheiro”, mensagem da ex vice prefeita e vereadora Marilena Garcia.

“Ficamos sem o mais expressivo e dedicado fotojornalista de nossa região. O olhar de Gil sobre a nossa cidade era impar e desvendador.
Wanderley Gil foi a pessoa mais generosa, mais humana e mais espetacular que eu convivi. Sorte a minha ter desfrutado durante muitos anos de sua amizade. Juntos, travamos inúmeras lutas políticas, culturais e ambientais, sempre buscando o melhor para Macaé e para a nossa região. Agora, sem ele, temo não saber o que fazer daqui para frente. Gil, você vai fazer muita falta.” Newton Amorim.

“A minha história política e da Câmara tem a contribuição do trabalho de Wanderley Gil. Ele esteve presente e registrou momentos marcantes da minha trajetória e do Legislativo. Macaé perde muito com a sua passagem”, vereador Luiz Fernando.

O Advogado Luiz Fernando de Almeida Gomes disse que “Wanderley Gil você foi uma das pessoas mais incríveis que eu conheci nessa vida. A sua generosidade impregnava a todos nós e era com o olhar. A sua competência e dedicação na arte de fotografar era notada não só por aqueles que conviviam com você, mas ultrapassava fronteiras. Penso que você cumpriu a sua missão aqui na terra não só por tudo que você fez, mas principalmente pelo amor que você nutria pelas pessoas. Tenho que parar de escrever, a emoção e as lágrimas não permitem, descanse em Paz, meu amigo.”

Pelas redes sociais, foram muitas as manifestações de pesar por membros da Comissão Municipal da Firjan, do Repensar Macaé, do Lions Clube Macaé, do Cetep (Leandra), vereador Maxwel Vaz, do artista plástico Eli Peron Frongilo, funcionários do Hotel Personal, dentre muitas outras que vão sendo registradas em nossa redação.

Última homenagem

Merecendo os nossos mais calorosos aplausos o repórter fotográfico Wandeley Gil ganhou a sua última homenagem especial em seu aniversário, dia 9 de janeiro, e celebrando a passagem do Dia do Fotógrafo, ocorrido no dia 8 de janeiro. A trajetória de Gil foi marcada por uma extrema sensibilidade, um olhar apurado, profundos estudos e muito talento, qualidades de um bom fotógrafo. Merece lembrar que Wandeley Gil conquistou o mercado e se tornou um dos melhores profissionais de Macaé e região em mais de 40 anos de atividades capturando as melhores imagens, ao registrar e transmitir a mensagem visual do jornal O DEBATE, diariamente.

Neste sentido, ‘Leley’, como era carinhosamente chamado, conseguiu realizar verdadeiras proezas em prol de uma imagem perfeita, vencendo obstáculos das mais diversas naturezas, para obter uma boa imagem que fala mais do que palavras. Realmente, o fotografo é um profissional que traz na sua bagagem anos as experiências e os aprendizados do seu pai, também fotógrafo Wandeley, que o ensinou o ofício desde criança. Diariamente, sai às ruas de Macaé, sempre munido de sua câmera, da qual não se separa nunca.

Wanderley Gil

Nascido em Macaé, Wanderley Gil despertou para o mundo da fotografia aos 11 anos de idade, brincando no laboratório de fotografia do pai, o conhecido fotógrafo Wanderley Silva. Ele acompanhou seu pai, respeitado perito fotográfico da Secretaria de Segurança Pública e também professor. A partir daí Wanderley Gil passa a mostrar sua capacidade de buscar imagens de onde ninguém esperava, retratando-as pela sua sensibilidade no posicionamento de suas lentes. Logo se apaixonou pelo ofício e ali desenvolveu o grande amor que sente pelas fotos, conhecendo e aprendendo as novas técnicas.

Iniciou profissionalmente aos 16 anos, registrando eventos e festas como aniversários e casamentos. Em 1988, ingressou no mundo do fotojornalismo, e não saiu mais, tornando a sua grande paixão. Começou no jornal O Século editado por algum tempo na década de 80 e, posteriormente, ingressou no jornal O DEBATE, onde atuava até os dias atuais, porém, licenciado pelo INSS por causa da enfermidade, mas não gostava nem um pouco quando a sugestão era a aposentadoria, que agora buscava.

Wanderley Gil é profissional que faz a diferença como fotógrafo jornalístico no cenário artístico da cidade. Em 1997, Wanderley Gil inovou ao ser o primeiro fotógrafo a implementar fotos digitais no jornalismo quando O DEBATE, sempre pioneiro nas mudanças tecnológicas, adquiriu sua primeira impressora offsett. Ele passou a usar uma pequena câmera Casio, comprada por O DEBATE, primeiro jornal do interior a implantar o sistema, fugindo da clicheria a chumbo.

Wanderley organizou ainda diversas exposições de seus trabalhos, expondo seu talento em fotos jornalísticas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here