Consultor em O&G, Mauro Destri, foi o agente indutor do Programa do Governo Federal - PROMAR

Conforme divulgado em primeira mão pelo Jornal O Debate – Diário de Macaé, em setembro desse ano, o REMAR, que foi um termo criado por Mauro Destri, CEO da Destri Consulting e consultor em O&G, foi batizado oficialmente pelo Ministério de Minas e Energia – MME de PROMARPrograma de Revitalização e Incentivo à Produção de Campos Marítimos, com ênfase na produção de campos maduros e de custo marginais.

Como muito bem já explanado pelo Consultor em diversos eventos empresariais, o desempenho atual no pré sal brasileiro, que beira os 70% da produção nacional, merece o devido destaque. Contudo, não se pode esquecer que em passado recente a produção dos campos do pós-sal offshore, principalmente da bacia de Campos, já foram responsável por mais de 90% da produção nacional, sustentando por muitos anos as iniciativas tecnológicas para o sucesso em novas fronteiras exploratórias, principalmente para tornar viável a produção nesses campos de alta produtividade, enquadrados como ativos de classe mundial.

Seguindo então essa mesma lógica, Destri foi convidado para uma reunião com representantes do Ministério de Minas e Energia, após apresentações junto ao Instituto Brasileiro do Petróleo – IBP, para propor diretrizes que pudesse auxiliar no estabelecimento desse novo programa ministerial. Esse, por sua vez, terá como finalidade reconduzir a importante missão dos campos maduros a continuar contribuindo com a produção nacional, gerando condições de novos investimentos e manutenção dos postos de trabalhos, particularmente para o norte fluminense, onde se encontra a base de produção de uma das mais prolíferas bacias de petróleo e gás natural do mundo.

Como resultado dessas ações da Destri Consulting, o Governo Federal, através do Ministério de Minas e Energia, após deliberação do Conselho Nacional de Política Energética – CNPE, aprovado em reunião realizada em 09/dezembro em Brasília/DF, aprovou a implantação do PROMAR. Os objetivos se concentram em gerar condições básicas para estimular os investimentos empresariais na revitalização dos campos marítimos maduros, além de promover melhores condições para o aproveitamento econômico de acumulações de petróleo e gás natural consideradas como de economicidade marginal na ambiência do mar territorial do país.

Em recente entrevista, publicada na revista eletrônica TN Petróleo, Destri aponta para diversas ações para os respectivos Subcomitês do PROMAR, que estarão atuando para promover os incentivos à retomada dos investimentos nas bacias maduras, tais como em destaque:  criar arcabouço regulatório adequado aos campos maduros e marginais no mar; fomentar o aproveitamento de recursos em reservatórios de baixa permeabilidade; aumentar a competitividade da indústria petrolífera offshore nacional de médio e pequeno porte; aprimoramentos e inovações tecnológicas para o aumento do fator de recuperação dos reservatórios; bem como estabelecer novos critérios licitatórios para tornar blocos exploratórios da oferta permanente mais atrativos.

Nessa mesma entrevista, novamente se faz comparações com o Programa REATE, também coordenado pelo Ministério de Minas e Energia, que tem por objetivo estratégico de reverter o declínio da produção de petróleo e gás natural em bacias terrestres. A produção atual no segmento onshore é da ordem de100mil barris/dia apenas e essa ação interministerial, que foi adotada por todas as instituições ligadas ao setor de O&G, tem potencial de elevar a produção para 1 milhão de barris/dia em bacias terrestres. Então, a mobilização do próprio CNPE, que em tempo recorde criou a Resolução RCNPE 04/2020, determinando a ANP estabelecer nova regulamentação para modernizações na forma de arrecadação de royalties de fontes geradoras de campos maduros no offshore brasileiro, quer seja em águas rasas ou profundas, tal como o campo de Marlin, como grande exemplo, certamente proporcionará ganhos significativos para os agentes empresariais e governamentais, aponta Destri.

De acordo com o divulgado no site da Firjan, o secretário de Petróleo, Gás e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, José Mauro Ferreira, pretende realizar o lançamento do Programa em Macaé, no início de fevereiro de 2021, devendo contar também com o apoio da ONIP (Organização Nacional da Indústria do Petróleo) e da ABPIP (Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Petróleo e Gás).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here