Um dos homicídios deste ano aconteceu na Praça Veríssimo de Melo, por volta das 14h, no dia 23 de janeiro

Em apenas três meses deste ano, 45 pessoas foram executadas a tiros na Capital Nacional do Petróleo

Os três primeiros meses de 2018 marcaram uma nova disparada no número de assassinatos na Capital Nacional do Petróleo. De janeiro a março deste ano, a Polícia Civil de Macaé registrou 45 homicídios, que segundo a Civil, a maioria das execuções estão relacionadas com o tráfico de drogas.

De janeiro ao final do mês de março deste ano, 45 pessoas foram assassinadas na cidade, contra 34 no mesmo período do ano passado. Execuções em série possivelmente ligadas ao acerto de contas e brigas por território de vendas de drogas contribuíram para o aumento na estatística.

No mês de janeiro de 2018, ao todo, 14 pessoas foram mortas, a maioria com características de execução, após a invasão do bairro Lagomar, onde 30 traficantes pretendiam dominar o local. Neste mesmo período, o cabo da PM José Renê Araújo Barros, de 35 anos, foi morto por traficantes na restinga da Reserva de Jurubatiba, em Macaé. Dos 30 suspeitos que estavam escondidos na mata, 9 foram mortos em confronto, 15 estão presos e 6 bandidos estão foragidos.

Em fevereiro deste ano, o número de homicídios chegou a 18, e a maioria dos crimes registrados do mês estavam relacionados à guerra de facção criminosa em diversos bairros de Macaé. Um dos casos que chamou atenção da Polícia Militar foram execuções de várias vítimas nos bairros Aroeira e Favela da Linha, onde 5 pessoas foram executados em apenas um dia.

Para a Polícia Civil, o mês de março deste ano foi o mais violento desde o ano de 2015. Dados do Índice de Segurança Pública (ISP), apontam que no terceiro mês foram registrados 13 assassinatos por arma de fogo. No mesmo período do ano passado, o número de homicídios chegou a 12. Nos três primeiros meses de 2016, ao todo, 21 pessoas foram executadas, e em 2015, o número chegou a 24 homicídios.

A violência tem sido tema constante que estampa as capas de jornais e está no topo da lista de preocupações dos brasileiros. No entanto, dados do ISP, indicam que a capital apresentou queda de 1,6% no índice de letalidade violenta enquanto as taxas no interior do Estado tiveram um aumento significativo.

Ainda segundo dados do ISP, Campos do Goytacazes, Macaé e Cabo Frio foram as cidades em destaque que entraram na estatística da violência desenfreada. O maior município do interior do Estado, Campos dos Goytacazes, lidera o topo de pessoas assassinadas. De janeiro a março deste ano, 65 vítimas foram executadas a tiros. Em seguida, vem o município de Macaé, com 45; atrás vem a cidade de Cabo Frio com 32, Rio das Ostras com 16 casos de homicídios, e Quissamã e Carapebus (dois municípios com a mesma delegacia), registraram 5 crimes, e ocupando a sexta colocação vem Casimiro de Abreu, com 4 assassinatos.

Enquanto em Cabo Frio, na Região dos Lagos, a realidade é mais animadora: a cidade teve redução de 20,9% no número de homicídios no primeiro trimestre de 2018 comparado com o mesmo período do ano passado.

De acordo com os dados do ISP, a Polícia Civil de Cabo Frio registrou 32 assassinatos nos primeiros três meses deste ano, e em 2017 foram contabilizados 43 execuções, 28 homicídios em 2016, e 53 homicídios em 2015.

O delegado da 126ª Delegacia de Cabo Frio, Marcelo Braga, afirma que as prisões realizadas nos últimos meses junto com as elucidações dos casos influenciaram na diminuição do índice.

“Fomos o único município dos considerados grandes do interior que conseguiu diminuir os homicídios. Todos os outros aumentaram. Com o elevado número de prisões feitas pela 126ª DP somados com os esforços da nossa Área Integrada de Segurança Pública (AISP), obtivemos o primeiro lugar em número de prisões e o quarto no número de apreensões de armas de fogo em todo o Estado do RJ. E isso refletiu na queda dos índices de homicídios”, explicou o delegado da Região dos Lagos.

Já o delegado adjunto da 123ª DP de Macaé, Rodolfo Maravilha, afirmou que a Civil vem realizando operações em combate ao tráfico de drogas na cidade em parceria com a Polícia Militar e que o número de prisões cresce gradativamente. Segundo ele, a maioria dos homicídios permanece sem elucidação e que todos os casos estão sob investigação.

Assassinatos

Primeiro trimestre de 2018 – Cidades Homicídios

1° Campos – 65

2° Macaé – 45

3° Cabo Frio – 32

4° Rio das Ostras – 16

5° Quissamã/Carapebus – 05

6° Casimiro de Abreu – 04

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here