Ricardo Meirelles é a grande referência cultural de Macaé nos dias atuais e tem o nome gravado na história do teatro brasileiro

O professor e teatrólogo Ricardo Meirelles vai ter sua vida e obra registradas em documentário do projeto ‘Acontece Brasil’

Borbulhando talento e sendo altamente aplaudido pelo mundo afora, o professor e teatrólogo Ricardo Meirelles vai ter sua vida e obra registradas em documentário. Celebrando mais de 40 anos de dramaturgia, ele será a estrela do lançamento do projeto ‘Acontece Brasil’, idealizado por Alexandre Matos, que também é editor da Revista Mais Comércio.

Segundo informações do Alexandre Matos, o documentário começa a ser gravado em novembro deste ano e vai contar a história das obras de Ricardo Meirelles, abordando suas inspirações, memórias e bastidores dos textos, como a comédia ‘Palácio dos Urubus’, peça teatral premiada internacionalmente, ‘Os bons Tempos Voltaram’ e ‘Ferocidade’, cuja primeira montagem completou 40 anos em 2018. A previsão de estreia é em 2020.
Ricardo Meirelles é formado em História pela Faculdade de Filosofia de Campos, foi professor do Ensino Médio no Colégio Estadual Luiz Reid e já escreveu 25 livros, em sua maioria peças teatrais.

Alexandre informa ainda que o roteiro está sendo escrito pelo ator e publicitário Helder Santana. E a equipe está sendo montada e conta com Alexandre Matos na captação de parcerias e investimentos, e inclui ainda a jornalista Cris Rosa. O projeto está na fase de captação de recursos e qualquer dúvida ou informação pode ser enviada ao e-mail acontecebrasiltv@gmail.com.

Sucesso consagrado

Ricardo Meirelles é a grande referência cultural de Macaé nos dias atuais e tem o nome gravado na história do teatro brasileiro. Ao longo da carreira já exibiu suas peças dentro e fora do Brasil, em países como Islândia e Venezuela, além da cidade alemã de Colônia, e soma diversas premiações no currículo, como Prêmio de Leitura no Concurso de Dramaturgia do Serviço Nacional de Teatro, com publicação pelo MEC/FUNARTE por “Os Sobreviventes”. Ricardo também foi vice-prefeito de Macaé e vice-presidente de Acervo e Patrimônio Histórico da Fundação Macaé de Cultura.

Em abril de 1976 deu-se a primeira montagem a nível nacional da peça ‘Disse Adeus às Ilusões e Embarcou para Hollywood’. A capital gaúcha (Porto Alegre) teve em seu teatro de Arena sua exibição, cuja interpretação coube às atrizes Ivone Hoffmann e Marlise Sauerssig; o diretor foi Jairo de Andrade. A sinopse dessa peça é a seguinte: duas mulheres criam fantasia absurda para compensar a solidão e a falta de perspectiva de vida.

Com essa peça valorizada e encenada em Porto Alegre, Ricardo Meirelles pôde se lançar de modo mais eficaz para a dramaturgia nacional, partindo do fato que dois anos antes, em 1974, houve a leitura desse mesmo texto, na cidade de São Paulo. Esse trabalho foi lido por Regina Duarte (na época chamada carinhosamente de namoradinha do Brasil, devido ao sucesso da novela Carinhoso) e Ethi Freiser, dirigida por Silvio Zimber, no teatro Paiol.
Incentivado a escrever, o teatrólogo produziu as peças ‘Ferocidade’ e ‘Palácio dos Urubus’, exibidas nas cidades brasileiras de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Manaus e nas cidades europeias de Colônia e Reykjavic, além da sul-americana Caracas, capital da Venezuela.

Em 2001 o grupo teatral Acto, de Macaé, fez a Mostra de Teatro ‘Ricardo Meirelles’, com as peças: ‘Amigos’, ‘Disse Adeus às Ilusões e Embarcou para Hollywood’, ‘Delicioso Horror’ e ‘Um Convidado Especial’. Elas foram exibidas no Teatro Municipal de Macaé. A última peça que ele escreveu foi terminada no final de 2015, intitulada ‘Depois daquela Noite’.

Texto publicado em alemão sobre o trabalho do teatrólogo elogia seus textos, inclusive rádio daquele país referiu-se positivamente a suas peças. Publicações e fotos, nas quais os ministros da Cultura Aluízio Pimenta e Ney Braga lhe conferem homenagens e medalhas, além de citações positivas de críticos no extinto Jornal do Brasil (JB) e nos jornais O Globo e Correio do Povo (Porto Alegre), também podiam ser vistas no Solar dos Mellos.

Ricardo Meirelles

Ricardo nasceu no Rio de Janeiro no ano de 1947, mas chegou a Macaé para morar com apenas 10 anos. Logo, adotou a cidade como sua sendo um apaixonado por ela. Casado com Priscila Vieira, tem dois filhos, Felipe Meirelles Vieira e Mariana Meirelles Vieira e os netos Hugo e Thaís. Formado em História pela Faculdade de Filosofia de Campos em 1972, foi também diretor do Departamento de Cultura da Prefeitura Municipal de Macaé (1980 a 1982), coordenador do Projeto Estadual de Teatro no Interior (1980 a 1982), presidente do Centro Estadual de Professores – Núcleo Macaé (1979 a 1982), diretor do jornal O Século (1980), vice-prefeito (1997 a 2000 e 2001 a 2004 (reeleito)) e secretário do Acervo e Patrimônio Histórico – Museu de Macaé (2005, 2008, 2009 e 2012), além de escritor com várias peças premiadas e montadas nas principais cidades do Brasil, destacando-se os textos “Palácio dos Urubus”, premiado e montado na Alemanha pela Rádio Colônia WRD (1978); em Caracas, Venezuela, pelo Centro Internacional de Pesquisa e Dramaturgia Latina (1985); em Miami, Estados Unidos (1982); e na Islândia (1992); Ferocidade premiada e montada na Alemanha (1979).

A estreia do teatrólogo

A primeira peça do teatrólogo macaense Ricardo Meirelles foi “Você se Lembra daquele Vizinho que Ficou de Cuecas na Sala de Jantar?”, escrita em 1973. A obra conquistou inúmeros prêmios de destaque nacional, incluindo o Concurso de Dramaturgia, no Teatro Opinião do Rio de Janeiro – premiada e escolhida para ser lida pelos diretores João das Neves, Paulo Ribeiro e Suzanna Faine; o primeiro lugar no Concurso de Dramaturgia Universitária promovido pelo Serviço Nacional de Teatro e Ministério de Educação e Cultura.
Sua primeira montagem nacional, ocorrida em 1977, foi bastante prejudicada por ter sofrido violentos cortes pela censura vigente na época, decorrente da Ditadura Militar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here