Clube Ypiranga

Sem dar tempo de a nova equipe de governo respirar, alguns internautas já estão com o dedo no gatilho atirando em possíveis cochilos que podem ocorrer em situações pontuais porque não será fácil ajustar a máquina para funcionar da maneira como o prefeito Welberth Rezende, gostaria. Habituado a fazer política corpo a corpo, maneira adotada para alcançar os cargos de vereador e, depois, para deputado estadual, o prefeito eleito vem tentando fazer com que seus assessores diretos, adotem o mesmo estilo. Os macaenses mais antigos e, talvez, saudosistas, admitem que o novo prefeito  parece seguir quase criteriosamente o jeito do ex-prefeito Alcides Ramos, que se tornou conhecido como Bicho Velho, porque assim chamava seus interlocutores dos quais não conseguia guardar os nomes, merecendo a alcunha que se tornou seu perfil. Ao ser eleito, Welberth Rezende deixou claro que gostaria de ver seus secretários sempre junto ao povo, falando direto com a população, não se escondendo numa sala atrás de uma mesa, enquanto os problemas fáceis de serem solucionados estavam nas ruas. Sem dar conhecimento do que poderia fazer para marcar seu início de governo, o prefeito começou a mostrar que pretende acertar e muito. Uma possível “briga” com os acadêmicos que frequentam a cidade universitária, para onde ele transferiu a Secretaria de Educação, ocupando o imóvel da Funemac, para não pagar aluguel, foi atenuada com a célere conversa com um grupo de trabalho e com a reitora Denise Pires de Carvalho, tendo ele prometido mais investimentos com a instalação de um restaurante dentre outros considerados fundamentais para a convivência pacífica com o governo. Parece que deu resultado, e outras ações da administração também consideradas urgentes, já foram providenciadas e governar junto com o povo, parece que vai ser a marca Welberth.

A marca que faltou

E por falar em marca, uma delas continua sendo cobrada até hoje, embora possa ter caído no esquecimento de alguns, principalmente na área de cultura, e tomara que o novo prefeito Welberth Rezende não esqueça. Quando o município, próximo a comemorar seus 200 anos, a sede do Ypiranga Futebol Clube funcionava como sede da Coordenadoria dos 200 anos de Macaé. Em outubro de 2012, eleito prefeito com promessas de mudanças tão sonhadas pela população, Dr. Aluizio tomou posse na praça Veríssimo de Melo, e a música “Esse cara sou eu”, de Roberto Carlos, marcou a cerimônia. Mas, faltava pouco tempo para a organização e tudo que havia sido projetado para uma célebre comemoração, acabou. Dr. Aluizio extinguiu a coordenadoria, a tão esperada auditoria das contas e contratos anunciada durante a campanha não foi realizada (ou foi de maneira sub-reptícia), chegou o mês de julho de 2013…   e a marca dos 200 anos de história de Macaé não teve nenhum monumento construído, como o do centenário que está edificado na praça Veríssimo de Mello. Como as esperanças começavam a ficar pelo caminho, também as ações de governo começavam a mostrar que “o cara não era ele, mesmo, era outro”. O que a população observou e assistiu com o passar do tempo, foram as obras da gestão Sylvio Lopes, e depois, de Riverton Mussi, que marcaram uma época, serem relegadas ao abandono, não merecendo sequer manutenção. O espaço não comportaria citar todas aqui mas, o ginásio polioesportivo Mauricio Bittencourt está literalmente caído. O ginásio do Ypiranga, que poderia ser um monumento aos direitos humanos porque alí muitos macaenses estiveram presos na ditatura militar, também destruído, assim como o Teatro Municipal, o Parque de Exposições e, finalmente, o estádio Claudio Moacyr de Azevedo, na Barra de Macaé. Tomara que o novo prefeito Welberth Rezende consiga, até o dia 29 de julho deste ano, construir o marco dos 200 anos de Macaé. É uma dívida do governo municipal, que deve fazer o dever de casa, e fazer história.

PONTADAS

A Procuradoria Geral do Município, publicou no dia 08 de janeiro, a Resolução 002/2021, na qual o procurador Dr. Fabiano Lima Paschoal de Souza, estabelece o uso de vestimenta para acesso as dependências do órgão. A partir de agora, nada de sandália rasteirinha ou trajes muito a vontade. Todos (homens) devem usar paletó e gravata e sapato social (tênis, não), e as mulheres, também, devem usar traje social. Nada de calça jeans rasgadas e outras regalias antes permitidas.

Para fechar a semana, o prefeito Welberth Rezende registrou na internet que tratou de dois temas importantes para o município. A primeira reunião foi com os representantes do Complexo Logístico  e Industrial de Macaé (Clima), para debater questões sobre o novo ciclo do gás e geração de empregos. Depois recebeu a visita do Diretor da Região do Interior da Cedae, junto com o vereador Luciano Diniz e a diretoria da empresa, quando foram solicitadas obras de ampliação do abastecimento de água.

Do neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis, mundialmente famoso por suas pesquisas sobre a interface em cérebros e máquinas; “Acabou. A equação brasileira é a seguinte: ou o país entra num lockdown nacional imediatamente, ou não daremos conta de enterrar os nossos mortos em 2021”. A mensagem foi escrita no Twiter, em entrevista a BBC News Brasil, apontando a sequência de erros que colocam o país em segundo lugar no ranking de mortes por Covid-19 no mundo.

Até domingo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here