Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Os “bobs” prometem continuar fazendo a cabeça das mulheres

Em 07/04/2009 às 10h16


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Os rolinhos não estragam os fios e proporcionam ca Os rolinhos não estragam os fios e proporcionam ca
O rolinho de plástico que fez os penteados de muitas gerações é tido como antigo e já faz algum tempo que a maioria das mulheres nem querem saber de ouvir falar nele; alguns salões de beleza deixaram mesmo de usar substituindo pelo babyliss, chapinhas e outros métodos mais modernos. Algumas mulheres, no entanto, continuaram fiéis e até hoje enrolam os seus fios, tanto para ondular como para alisar.
Voltando à rotina dos salões de beleza, enquanto uns aboliram o seu uso, outros mantém a opção para o caso de a cliente pedir o seu uso e, ainda, em outros os bobs são usados para levantar a raiz do cabelo, sendo que alguns profissionais garantem que nenhum outro método consegue este efeito tão bem quanto ao velho e bom rolinho. Enfim, é tudo uma questão de método de trabalho.
No entanto, o que se vê no dia-a-dia é que o bob parece ter sido ressuscitado e ganhou nova cara. Além daquele modelo confeccionado de plástico colorido, hoje eles podem ser térmicos, de silicone, ideal para cabelos médios ou longos, proporcionando ondulação mais fina; de espuma que vão bem nos cabelos mais curtos e ondulam da raiz às pontas; e os de velcros indicados para todos os cabelos e não precisam de grampos ou presilhas.
Os bobs são ideais para quem gosta de arrumar os cabelos em casa e se prestam para criar tanto um visual mais natural, que pode ser uma simples ondulação nos cabelos, como para quem quer um penteado mais arrojado e estruturado. Com a ajuda do secador de cabelos (o ideal é usar o difusor) pode se criar cachos e ondulações rapidamente. Veja algumas dicas.
O primeiro passo manter sempre os cabelos tratados e usar bons produtos para lavar e enxaguar, respeitando sempre o tipo dos fios e usar produtos específicos para cabelos que passaram por processo químico, colorações, alisamentos etc.
Os bobs seguem uma numeração de zero a sete. Se a intenção é cachear, use os menores; para ondular, prefira os maiores. Para potencializar o efeito vale usar mousse nos cabelos e depois enrolar. É preciso cuidado na hora de retirar para não desmanchar o efeito conseguido, depois é só pentear e arrematar com spray ou outro finalizador, desses bem modernos.
Quem entende do assunto conta ainda que os bobs não estragam os cabelos e  devem ser presos bem firmes nunca prendendo um ao outro porque daí pode danificar os fios. E tem ainda o “pulo do gato”, envolva a ponta dos cabelos em papel de permanente e depois enrole. O papel de permanente já vem cortado no tamanho ideal e não custa caro.
E tem mais novidade, são os bobs com uma escovinha em seu interior, ideais para os cabelos lisos, escorridos e que “não pegam nada”.
Voltando os bobs de velcro, aqueles que são bem mais fáceis de usar porque não precisam de grampos, eles devem ser usados nos cabelos secos e podem ser acompanhados pela mousse de fixação e levam bem menos tempo para se conseguir o efeito desejado.
Gostou da idéia? É só providenciar os famosos rolinhos; os preços não poderiam ser melhores.
E não tenha medo de ser feliz com eles porque estão na cabeça das atrizes de Hollywood e de algumas globais, haja vista que outro dia uma atriz que trabalha em “Caminho das Índias” foi flagrada em pleno shopping usando os rolinhos nos cabelos.

As mãos também envelhecem

A pele sofre alterações à medida que a vida passa; geralmente, toda a atenção é dada a pele do rosto e do pescoço enquanto que as mãos, às vezes, ficam em segundo plano.
Sabe-se que o processo de envelhecimento inicia-se no momento do nascimento, mas começa a dar os seus primeiros sinais a partir dos 25 anos de idade.  
Neste processo, as mãos ganham destaque por estarem mais expostas ao fotoenvelhecimento e às agressões inerentes do cotidiano como, por exemplo, a utilização de detergentes e o frequente uso de água, que juntos afetam o estado da pele e a aparência das mãos.
Neste caso, é recomendável o uso de luvas a fim de proteger as mãos, mas a correria do dia-a-dia e mesmo a falta de hábito fazem com que isso não aconteça e a agressão é diária e contínua.
Especialistas em Dermatologia explicam que a derme, camada da pele composta principalmente por fibras de colágeno, possui espessuras variáveis ao longo do organismo. Na mão sua espessura é menor, portanto existe uma menor quantidade de fibras colágenas se comparado, por exemplo, à um dorso. Por isso, podemos concluir que a mão pode envelhecer mais rápido que outras partes do corpo.
Assim, a proteção contra os raios de sol deve ser a mesma para rosto, colo e dorso de mãos. Lembrando que nas mãos, a reaplicação deveria ser mais frequente pelo hábito de lavá-las.
Os cuidados diários são lavar as mãos com sabonete de PH fisiológico para não ressecá-las e hidratar com um creme ou loção com FPS.

Autor: GB Edições

Foto: GB Edições


    Compartilhe:


publicidade