Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

População pode evitar focos de incêndio

Na manhã de ontem mais um foco foi registrado no Quinta da Boa Vista, na Virgem Santa

Em 20/09/2017 às 15h12


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Na manhã de ontem, mais um caso foi registrado na cidade Na manhã de ontem, mais um caso foi registrado na cidade
No final de semana, o total de ocorrências recebidas pelo 9º Grupamento do Corpo de Bombeiros sobre fogo em vegetação chamou a atenção. De acordo com o comandante e Tenente-Coronel André Siqueira foram 36 registros entre a tarde de sexta-feira (15) e a tarde de segunda-feira (18). Nesta reportagem o analista ambiental Marcos César dos Santos explica que, apesar do tempo seco favorecer a disseminação dos focos de incêndio, mas a grande maioria é causado pelo homem. 

"Com este tempo seco os incêndios tendem a se multiplicar, por isso, a prevenção é fundamental. Sem dúvida o tempo seco favorece a disseminação dos focos de incêndio, contudo a grande maioria dos incêndios tem causa antrópica (causada pelo homem) e nestes casos, além de cometer crime ambiental (estando sujeito à multa e prisão), o infrator pode causar danos inestimáveis à saúde e ao meio ambiente", explicou o analista ambiental Marcos César dos Santos.

Ele ressalta ainda que provocar incêndio é considerado crime, previsto na Lei nº 9.605/98. "De acordo com o Art. 41, quando isso é feito em mata ou floresta, pode levar o infrator à pena de reclusão de dois a quatro anos e multa. O mesmo artigo ressalta que se "o crime é culposo, a pena é de detenção de seis meses a um ano, e multa", disse.

Já o Art. 42 diz que fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam provocar incêndios nas florestas e demais formas de vegetação, em áreas urbanas ou qualquer tipo de assentamento humano, a pena é - detenção de um a três anos ou multa, ou ambas as penas cumulativamente. 

"Percebe-se que o cuidado, com o uso de fogo, nesta estação seca deve ser maior e aquele proprietário rural que quiser utilizar fogo em sua propriedade deve antes procurar o órgão ambiental competente para se informar das restrições existentes. Lembrando ainda que os incêndios causam destruição de extensas áreas naturais, causam prejuízos enormes à biodiversidade, colocam em risco a vida e saúde humana e ainda podem causar grandes prejuízos materiais", explicou Marcos.

Vale lembrar ainda que a queima de lixo nos terrenos é proibida. Além de outros agravantes, que são os impactos ambientais gerados por conta disso uma vez que a maioria dos resíduos que podemos encontrar no lixo doméstico não foi projetada para ser queimada. Quando expostos a uma determinada temperatura elevada podem liberar substâncias tóxicas perigosas. 


Essa fumaça tóxica polui o ar, que é inalado pelos humanos. A situação é ainda pior quando a umidade está baixa. Essa fumaça prejudica a saúde da população, principalmente de crianças e pessoas que sofrem de doenças respiratórias, como asma, bronquite e rinite alérgica. 

O comandante e tenente-coronel do 9º Grupamento do Corpo de Bombeiros,  André Siqueira orienta a população a evitar descarte irregular de lixos em terrenos e também o descarte de fagulhas, como por exemplo, de cigarros - que em contato com a vegetação seca pode causar incêndios de grandes proporções. 

Autor: Juliane Reis juliane@odebateon.com

Foto: Wanderley Gil


    Compartilhe:

Tags: geral


publicidade