Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Moradores voltam a pedir melhorias para a Virgem Santa

Eles relatam que não contam com serviços básicos como lazer, saneamento e pavimentação

Em 18/09/2017 às 11h41


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

O bairro vem crescendo e infraestrutura passa longe O bairro vem crescendo e infraestrutura passa longe
O bairro Virgem Santa é considerado um dos mais antigos do município, mas ao que parece, os problemas vêm acompanhando a idade do local, hoje com cerca de 60 anos de existência. Em entrevista à redação de O Debate, os moradores lamentam o descaso do poder público para com o bairro. Os problemas apresentados vão desde a falta de área de lazer, falta de pavimentação e saneamento, e precariedade no transporte público já que, em algumas ruas, os coletivos não passam, entre outras. 

Essa não é a primeira vez que os moradores reclamam da falta de infraestrutura. A situação deles já vem sendo acompanhada há anos pela redação do Jornal. O bairro, que vem sofrendo com a expansão ocorrida nos últimos anos, caminha a passos lentos quando o assunto é pavimentação, por exemplo. Próximo do Hospital Público Municipal (HPM) e a alguns minutos da BR 101, o local tem atraído a atenção de novos moradores, mas em paralelo, os serviços básicos continuam passando distante. 

Ruas sem pavimentação é desafio para motoristas  

Sem receber a devida atenção do órgão público municipal, os buracos são cada vez mais visíveis em toda parte no município. E engana-se quem pensa que essa é uma realidade apenas de alguns bairros. O problema é visível de norte a sul e de leste a oeste. No Virgem Santa não é diferente. Há anos os moradores convivem com as ruas cheias de buracos e transitar em algumas delas tem se tornado constante desafio, tanto para os motoristas como para pedestres e ciclistas. 

Ruas sem pavimentação e acostamento são realidade no bairro

"Aqui na Rua Leôncio Rodrigues, por exemplo, a situação é caótica. Em dias de chuva é impossível transitar, porque, além dos buracos, ela fica escorregadia. Já tivemos casos de idosos caindo e por pouco não se machucar. Há anos a gente pede uma atenção especial para essa rua, mas até hoje nada foi feito e a sensação que temos é de abandono", disse um morador que prefere não se identificar. 

O problema dos buracos na região vem sendo relatado há bastante tempo pela redação do Jornal. Vale lembrar que, de acordo com o Art. 1º, "o trânsito, em condições seguras, é um direito de todos e dever dos órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito, a estes cabendo, no âmbito das respectivas competências, adotar as medidas destinadas a assegurar esse direito".

No entanto, até mesmo a Estrada da Virgem Santa, via principal, necessita de melhorias. Pois apenas um trecho dela recebeu a tão sonhada pavimentação. Segundo os moradores, a ação foi concluída no final de 2012, como estava previsto, mas de lá para cá nada mais foi feito, o que tem gerado insatisfação. "A única coisa que fazem de vez em quando é o serviço de tapa-buracos, mas isso não resolve o problema, apenas ameniza", ressaltou um morador. 

Ruas não contam com acostamento 

Assim como a pavimentação passa distante do bairro, os acostamentos das ruas também. E neste caso, os mais prejudicados são os pedestres e ciclistas que têm que dividir o espaço da rua com os carros que, muitas vezes, transitam em alta velocidade. "Além de não ter acostamento, o bairro não conta com calçadas e, consequentemente, a população é obrigada a se arriscar. Um dos pontos mais críticos fica na Estrada da Virgem Santa", disse outro morador. 


Ele sugere ainda que o serviço seja feito desde o HPM até o CEMAIA, pois o fluxo de pessoas que circula pelo bairro é grande. "Isso é uma reinvindicação antiga, mas assim como outras demandas continuamos sem respostas", ressaltou. 

Área de lazer é sonho distante 

O lazer é considerado um item fundamental para a saúde, pois controla os níveis de ansiedade e contribui com outros fatores psicológicos e também físicos, e cada vez está mais precário na cidade. No caso de crianças e jovens, por exemplo, isso é fundamental para o seu desenvolvimento. Apesar dos benefícios, no Brasil, mesmo sendo um direito previsto na Constituição Federal de 1988, esse é um item que não está acessível a todos. 

Sem área de lazer, brinquedo é improvisado para garantir a diversão das crianças


E tem mais, o próprio Estatuto da Criança e Adolescente (ECA) que trata do Direito à Educação, à Cultura, ao Esporte e ao Lazer, a criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho.

Segundo o Art. 59, diz que "os municípios, com apoio dos estados e da União, estimularão e facilitarão a destinação de recursos e espaços para programações culturais, esportivas e de lazer voltadas para a infância e à juventude", mas no município, em alguns bairros, entre eles, a Virgem Santa, as tão sonhadas áreas de lazer só existem na imaginação. 

"A realidade é totalmente diferente. Aqui as crianças não têm onde brincar. O que antes era uma praça, hoje conta apenas com os banquinhos. O Parquinho que era a principal "atração" foi retirado e nunca mais colocado", disse. 
Enquanto a área de lazer não chega, os pequenos improvisam, ainda que em lugares não muito indicados. Em visita ao bairro nossa equipe flagrou uma criança brincando próximo a um ponto com acúmulo de lixo, uma situação que não é indicada. 

Lixões começam a se formar no bairro 

Uma questão observada por nossa equipe e que chamou a atenção foi a quantidade de lixo descartada de forma irregular. Na Rua Leôncio Rodrigues, por exemplo, a situação pode ser observada em vários trechos, desde o inicio ao término da rua e até mesmo em terrenos.  Uma situação que acaba colocando em risco a vida dos moradores, uma vez que pode acumular e contribuir para a infestação de animais peçonhentos.


Lixões pouco a pouco tomam conta do bairro 


"Há entulhos por toda parte. Falta coleta de lixo aqui. "É triste, mas essa é a nossa realidade. Além do acúmulo de lixo, há também o abandono de carros. Como, por exemplo, um caminhão que já está há algum tempo abandonado", disse o morador.

Outro ponto questionado pelos moradores é sobre o saneamento que também passa longe. "Como quem dá volta ao mundo, o saneamento básico também é algo que ainda não chegou aqui e enquanto as melhorias não chegam, as poucas ruas que contam com a rede de esgoto despejam tudo no valão, sem tratamento", disse um morador.  
Segundo os moradores, apenas algumas ruas contam com tubulação, estas com mais de 20 anos e a maioria das residências ainda contam com sistema de fossa. 

Em 2015, em uma das vezes que foi procurada pela redação do Jornal, a Prefeitura informou que quanto ao saneamento, o bairro Virgem Santa fazia parte do subsistema Centro, um dos quatro subsistemas que compõem a área de concessão dos serviços de saneamento básico no município, via Parceria Público Privada entre Prefeitura de Macaé e Odebrecht Ambiental.

A primeira etapa deste subsistema, que iria beneficiar 40 mil pessoas, já estava sendo finalizada. Segundo o órgão, na época, o cronograma contemplava diferentes pontos da cidade. "No Virgem Santa, os trabalhos para implantação de redes de coleta de esgoto acontecerão em 2017. Todo o efluente gerado no bairro será coletado e direcionado para a Estação de Tratamento de Esgoto Centro, localizada na Linha Verde". No entanto, já estamos em setembro e os moradores ainda questionam as melhorias. 

O que diz a Prefeitura 

Procurada pela redação do Jornal, a Prefeitura informou que uma equipe da Secretaria Adjunta de Saneamento esteve essa semana no bairro para checar as denúncias sobre o esgoto do loteamento Quinta da Boa Vista e foi contactada a empresa responsável pelo loteamento, a Incorporadora Lotear que, prontamente, iniciou ações de reparos na rede coletora já existente no local. A secretaria também estuda uma forma de ampliar o atendimento de tratamento de esgoto para o bairro. Já sobre a situação das ruas, o órgão disse que a Secretaria de Infraestrutura informou que periodicamente máquinas fazem a manutenção das vias no bairro.

Sobre a reclamação dos moradores em relação a algumas ruas que não contam com ônibus circulando, como a Leôncio Rodrigues, o órgão disse que o bairro Virgem Santa é atendido em sua totalidade, incluindo Córrego da Pedra e Fazenda e que os ônibus têm saída do Terminal Central, de 45 em 45 minutos, e no bairro Córrego da Pedra e Fazenda, de 1 em 1 hora.

Com relação à área de lazer, o órgão informou que a solicitação foi encaminhada à Secretaria de Serviços Públicos. Quanto a coleta de lixo, a resposta foi que a coleta de lixo domiciliar é realizada todas às segundas, quartas e sextas-feiras, no turno diurno, a partir das 7h e que o bairro também conta com uma caçamba para lixos próxima à Escola Municipal Generino Teotônio de Luna.  

Já com relação à falta de acostamento nas ruas, a Prefeitura disse que foi feita uma solicitação à Secretaria Adjunta de Obras para estudo referente ao item. 

Autor: Juliane Reis juliane@odebateon.com.br

Foto: Sylvio Savino


    Compartilhe:

Tags: bairros em debate


publicidade