Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Alerj avalia que redução de royalties tem potencial para reinvestimentos

Comissão de Minas e Energia defende consenso para garantir a revitalização de reservas da Bacia de Campos

Em 31/08/2017 às 15h38


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Deputado Carlos Roberto Osório (PSDB) afirmou que redução de royalties sobre "petróleo novo" compensará investimentos Deputado Carlos Roberto Osório (PSDB) afirmou que redução de royalties sobre "petróleo novo" compensará investimentos
O potencial de reinvestimento na recuperação do fator de produção dos campos maduros, com base na redução da alíquota dos royalties sobre o "petróleo novo" da Bacia de Campos, foi destacado ontem (30), pelo deputado estadual Carlos Roberto Osório (PSDB), vice-presidente da Comissão de Minas e Energia, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).

Ao avaliar a medida como um viés positivo para o fim da queda da atividade econômica do Estado, para o fechamento de postos de trabalho e para a redução das receitas do petróleo, Osório afirmou que é preciso ter garantias de que a nova medida, estudada e avaliada atualmente pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), não cause efeitos sobre o atual sistema de compensação.

"Vejo de maneira positiva essa medida de redução da alíquota dos royalties, desde que seja sobre o petróleo gerado a partir da recuperação do fator de produção dos campos maduros. Eu sou favorável à proposta que pode gerar reinvestimentos para a Bacia de Campos", disse Osório.

O deputado é o grande articulador da realização da Audiência Pública, agendada pela Comissão de Minas e Energia da Alerj para a próxima quarta-feira (6), às 11h, no Palácio Tiradentes, no Rio de Janeiro. O encontro visa criar a 'mesa redonda' capaz de alicerçar um recomeço para as operações na Bacia de Campos.

"Não adianta ficarmos sentados e deixar que os poços maduros sejam fechados, criando assim um grande prejuízo para a população do nosso Estado. A queda de produção dessas reservas é real. E o que nós podemos fazer para evitar que o Estado e os municípios produtores sejam ainda mais impactados? A redução da alíquota dos royalties sobre o petróleo excedente gerado pela revitalização dessas reservas é um viés importante nessa discussão, que precisa ouvir todos os lados", defendeu o deputado.

Segundo Osório, a Audiência dará a oportunidade para que a Petrobras, a Agência Nacional do Petróleo (ANP), o Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), as empresas e os prefeitos dos municípios produtores possam dar contribuições reais para que a sobrevida da produção da Bacia de Campos seja garantida.

"Não podemos desperdiçar essa chance. Mas, precisamos ouvir e compartilhar a opinião de todos os interessados. Sabemos que a Petrobras não possui capacidade para assumir sozinha a revitalização dos campos maduros. Então, precisamos saber, o que a empresa fará com a concessão dessas reservas? Vai investir? Vai passar para que a ANP faça novos leilões? Vai compartilhar a concessão? Isso é fundamental para a recuperação da Bacia de Campos", apontou Osório.
O deputado afirmou também que "ouvir o contraditório" é a melhor forma de se encontrar um caminho real e capaz de restruturar a operação do petróleo no Estado.

"Eu sou favorável à recuperação do fator de produção dos campos maduros. E vejo a redução da alíquota dos royalties sobre o petróleo excedente como um viés importante para compensar os investimentos das empresas interessadas. A Petrobras tem a chance de participar desse processo, que depende das definições da ANP. A angústia dos municípios produtores também ajuda a entender todo esse processo, especialmente Macaé, onde as operações do petróleo fluminense estão concentradas, e onde realmente tudo relacionado ao setor offshore acontece", disse Osório.

Prefeito de Macaé confirma presença

Segundo o vice-presidente da Comissão de Minas e Energia da Alerj, o deputado estadual Carlos Roberto (PSDB), a participação dos prefeitos dos municípios produtores de petróleo é fundamental na Audiência que será realizada na próxima semana.

"É preciso garantir o compromisso de todos os interessados. Macaé vem promovendo uma ampla discussão sobre a revitalização dos campos maduros. E isso é importante. A presença do prefeito (Dr. Aluízio) está confirmada na audiência", disse Osório.

Representantes de instituições que participam das discussões sobre o mercado offshore nacional, como a Associação Brasileira das Empresas de Serviços do Petróleo (Abespetro), também foram convidados a contribuir com a consolidação de medidas que podem garantir a restruturação da Bacia de Campos.

O deputado estadual macaense, Chico Machado (PDT), também confirmou presença, e ajudou a garantir a realização da Audiência Pública na Alerj.

Autor: Márcio Siqueira marcio@odebateon.com.br

Foto: Divulgação


    Compartilhe:

Tags: política


publicidade