Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Brasil Offshore abre as portas de Macaé para o novo ciclo de prosperidade

Feira volta à essência da indústria de óleo e gás, promovendo debate técnico e alicerçando negócios baseados em mudanças do mercado

Em 24/06/2017 às 13h40


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte


Feira reuniu cadeia de fornecedores e representantes de instituições ligadas ao setor de óleo e gás


Após quatro dias de debates técnicos, análises políticas e encontros importantes para a formatação de uma nova cadeia de óleo e gás para a Bacia de Campos, a nona edição da Brasil Offshore abre as portas de Macaé para um novo ciclo de prosperidade.

Ao retomar a essência de uma verdadeira feira de negócios, a Brasil Offshore injetou cerca de R$ 50 milhões na economia local, gerou 10 mil empregos diretos e indiretos e ajudou a construir um cenário de autoestima para as empresas que acreditam na retomada da indústria de óleo e gás, não apenas através dos leilões marcados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) para setembro, como também na consolidação da proposta que visa transformar os campos maduros, em exploração na Bacia de Campos, como uma nova fonte de investimentos e de demanda de produtos e de serviços.

Com a participação de 560 empreas expositoras, a Feira foi capaz de provocar também encontros entre empresas que passam a firmar parcerias com objetivo de restruturar a cadeia produtiva de óleo e gás de Macaé, compartilhando experiências e informações, capazes de promover a preparação necessária para demandas que surgem também a partir de decisões da Petrobras em iniciar operações de produção em novas reservas, do pré-sal e do pós-sal na Bacia de Campos, como também a de desabilitar infraestruturas situadas em áreas de operação que datam desde os primórdios da produção do petróleo no país, iniciada há 40 anos.

"Acreditamos no potencial da indústria, na qualidade das empresas que estiveram presentes na feira e na importância de Macaé e da região para o futuro do petróleo no país. Iniciamos a preparação da feira com o entusiasmo de ver a retomada dos negócios do petróleo. Chegamos ao último dia do evento com a certeza de que todos nós estamos preparados para voltar a construir um futuro de progresso e de desenvolvimento para Macaé, para o Estado e para o país", apontou Daniel Pereira, gerente de eventos da Reed Exhibitions Alcântara Machado, organizadora da Brasil Offshore.

Projeção de futuro: US$ 80  bilhões de investimentos e  500 mil empregos

Após dois anos de incertezas e previsões pouco otimistas, a cadeia produtiva do petróleo na região obteve, durante os quatro dias da Brasil Offshore, informações relevantes que ajudam a criar a força da retomada de negócios em um futuro bastante próximo.

Com a confirmação da agenda de leilões já iniciada pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), estão projetados para os próximos anos investimentos na ordem dos US$ 80 bilhões no país, um potencial de geração de 500 a 700 mil postos de trabalho no segmento de óleo e gás.

Esses dados foram chancelados pelo Instituto Brasileiro do Petróleo (IPB) e pelo Ministério de Minas e Energia, atores fundamentais na definição dos novos caminhos do mercado do petróleo nacional, com base no interesse do capital estrangeiro de recuperar o ritmo crescente de produção da principal matriz energética global.
"A indústria está preparada para a retomada dos negócios, com base na agenda do petróleo que está em andamento."

Autor: Márcio Siqueira marcio@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: economia, brasil offshore


publicidade