Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Lagoas do Parque Jurubatiba são opção de lazer

"Estudos recentes mostraram que todas as lagoas do parque estão próprias para banho" - Marcos César dos Santos

Em 13/02/2016 às 12h10


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

De acordo com estudos, todas as lagoas da Unidade de Conservação estão próprias para banho  De acordo com estudos, todas as lagoas da Unidade de Conservação estão próprias para banho
Em meio à degradação de recursos naturais como o Rio Macaé e Lagoa de Imboassica, Macaé, uma das cidades que abriga o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, conta com recursos hídricos preservados. Recentemente, um estudo realizado nas lagoas do Parque mostrou que os locais estão balneáveis e próprios para banho.

De acordo com o analista ambiental e subchefe da Unidade de Conservação, Marcos César, o monitoramento será realizado trimestralmente através de uma empresa contratada pela Petrobras como uma das condicionalizantes do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), assinado entre o ICMbio e a estatal. 

"A pesquisa mostrou que todas as lagoas do Parque estão balneáveis. Essa foi a primeira vez que as águas do Parque passaram por análise e a iniciativa será realizada a cada três meses. Entres as lagoas da unidade estão a Lagoa Jurubatiba no Lagomar, a Lagoa de Carapebus, além das Lagoas da Garça, Preta e Paulista em Quissamã", pontua Marcos. 

Marcos relaciona o resultado dos estudos ao fato das lagoas estarem protegidas em uma unidade de conservação de proteção integral, que é o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, que abrange os municípios de Macaé, Carapebus e Quissamã, sendo considerada a área de restinga mais extensa e uma das mais bem preservadas de todo o país. 

Ainda segundo o analista, os resultados são uma vitória para a conservação ambiental e demonstram a necessidade de se proteger os córregos, rios, lagoas e demais corpos hídricos: "Jurubatiba é uma unidade de conservação que visa proteger as restingas e as lagoas costeiras, ambientes altamente ameaçados ao longo do país. As lagoas costeiras são ambientes facilmente contamináveis, pois elas recebem as águas das bacias hidrográficas que as alimentam, e essas bacias na maioria das vezes estão com aglomerações urbanas ou industriais, que lançam nos afluentes diversos contaminantes, como esgoto doméstico e industrial", disse. 

Marcos enfatiza, ainda, que preservar esses ambientes é difícil, pois não basta apenas preservar a lagoa em si, mas cuidar para que a bacia de contribuição esteja minimamente adequada ambientalmente. "Especificamente na Lagoa de Jurubatiba, toda ela inserida na área protegida, o Instituto Chico Mendes conseguiu, graças a um Termo de Ajustamento de Conduta conduzido pelo Ministério Público Federal (MPF), a construção de uma rede de captação e de uma estação de esgoto para tratar o esgoto gerado pelos visitantes do parque. Percebe-se, no entanto, a necessidade de investir na captação e tratamento do esgoto doméstico dos municípios para a manutenção da qualidade de nossas águas. A construção e a manutenção adequada desses sistemas é a solução para grande parte da poluição de nossos corpos hídricos e um desafio, não apenas para os municípios da região do parque, mas para grande parte dos municípios brasileiros", pontuou Marcos. 

Autor: Juliane Reis Juliane@odebateon.com.br

Foto: kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: meio ambiente


publicidade