Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Lagoa de Imboassica - Crônica de um amanhã

Em 28/11/2010 às 16h46


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

São 8h da manhã, dia lindo e aquele sol maravilhoso que só Macaé tem. Eu, do alto do São Marcos, observo a ciclovia que liga o Mirante da Lagoa à Praia dos Cavaleiros e seus transeuntes, que ora pedalam, ora caminham, correm ou apenas relaxam, sorvendo a maravilhosa paisagem. Nos decks ao redor da lagoa, pescadores pacientes esperam pela mordida na isca; pedalinhos em formato de cisne, caiaques, parapentes e barcos a vela me dão a certeza de que nada na lagoa se move pela engenhosidade do homem, apenas energia natural a fluir e a tudo mover.

Observo os quiosques, integrados ao cenário natural e um toboágua sendo molhado para a diversão da molecada na faixa de areia que separa a praia da lagoa. Ando até o viaduto que liga a Amaral Peixoto ao São Marcos e Novo Cavaleiros, paro na passarela que liga o deck da lagoa aos bairros e observo mais de perto: como Macaé ficou bonita, como mudou!

Passo pela entrada do Novo Cavaleiros, caminho pelo “Parque Municipal do Pecado” e observo a restinga e seus habitantes. Tomo uma ducha na passarela próxima ao “Viveiro de animais em recuperação” e entre as dunas de areia, dois lagos com patos selvagens, marrecos, garças e cisnes se agigantam em meu campo de visão, enquanto meus ouvidos são preenchidos pelo lindo canto do sabiá da praia...! No jardim botânico, com mudas de árvores e vegetação nativa da restinga e Mata Atlântica, acaricio espécies que julgava extintas.

O celular toca, abro-o para atender e de relance observo a data: 03/03/2014. Aos poucos e lentamente, face à insistência do alarme, me dou conta que estava cochilando e sonhando; quem sabe em minha última visita à Lagoa Rodrigo de Freitas no Rio, bem lá no fundo um desejo tenha ficado gravado?

É um choque acordar e retomar a consciência sobre a realidade da Lagoa de Imboassica, que é linda e resiste, mas está pobre, poluída e abandonada. Será que este sonho até 2014 se realizará? Tomara que não fique apenas como um sonho...


Autor: Dirant Ferraz- Presidente da AMONCA - Associação dos Moradores do Novo Cavaleiros


    Compartilhe:


publicidade