Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Projetos para recuperar a lagoa podem começar no início do ano

Em 28/11/2010 às 16h28 - Atualizado em 28/11/2010 às 16h39


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Vivamente preocupados em cumprir o objetivo de recuperar a Lagoa de Imboassica - que se encontra completamente poluída e sem condições de balneabilidade, levando o Ministério Público Federal a proibir o acesso ao espelho d´água, a não ser de acordo com as condições estabelecidas no Termo de Ajuste de Conduta assinado recentemente -, os membros do grupo que iniciou o movimento "SOS Imboassica - Projeto Lagoa Viva" prometem que, no início de 2011, poderão sair da prancheta os primeiros projetos que estarão sendo viabilizados.

A informação é do coordenador, engenheiro civil Ubiracy Jardim, que prometeu realizar mais uma reunião nos próximos dias para definir o que deve ser feito primeiro e, posteriormente, montar uma estratégia para que a Lagoa volte a ser utilizada pela população como área de lazer e outras atividades, além de torná-la própria para o banho outra vez. 

Durante a reunião realizada dia 18 de novembro no auditório do NUPEM, da qual participou o professor Francisco Esteves, que conhece com profundidade os problemas que vêm causando a total poluição da lagoa e prevendo até sua morte em cerca de 130 anos quando poderá virar um brejo se nada for feito para conter a degradação desenfreada, Ubiracy Jardim relatou que a Lagoa de Imboassica, após recuperada, poderá permitir a existência de uma raia de competição maior do que a Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro.

"Se pensarmos que as Olimpíadas de 2016 vão proporcionar oportunidades de ampliação dos locais para sediar algumas competições preliminares e também for do desejo de toda a comunidade a recuperação da Lagoa de Imboassica, podem ter certeza que vamos trabalhar diuturnamente com este objetivo", disse.

Ubiracy Jardim informou ainda que continua sendo procurado por muitas pessoas que desejam participar da luta em prol da lagoa e, futuramente, vai ser aberto um leque de possibilidades para que a maioria possa colaborar diretamente para o sucesso desta luta iniciada e, igual a uma "guerra", só terá fim quando o desafio maior - que é a vitória - for alcançado.  

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Realizado no dia 18 de novembro de 2010, com a presença de membros do NUPEM - UFRJ, da Associação de Vela de Macaé (Macvela), da Associação Macaense de Engenheiros e Arquitetos (Amega), Maçonaria Macaense, Secretaria de Meio Ambiente, ESANE, SOS Praia do Pecado, Associação do Bairro Mirante da Lagoa, Associação do Bairro Novo Cavaleiros e jornal O DEBATE, como convidados, a reunião teve como dinâmica adotada a de ideias lançadas em cartões que se juntavam a outros com o mesmo objetivo, separando o que vemos de ruim na Lagoa de Imboassica, o que vemos de bom no presente e futuro e quais ações deveremos adotar para que a Lagoa volte a ser balneável em prazo inferior a dez anos. Segue um resumo do resultado do trabalho:

O que vemos de ruim na Lagoa:
- Aterramento dos brejos, assoreamento;
- Lixo, mau cheiro, poluição diversa, degradação, desmatamento, esgoto sanitário e industrial;
- Falta de Estação de Tratamento de esgoto (ETE);
- Crescimento populacional e ocupação industrial;
- Omissão do poder público;
- Mortandade de peixes e perda da biodiversidade.

O que vemos de bom na Lagoa:
- Esportes radicais, náuticos, ciclovia e calçadão;
- Convívio familiar, local seguro para crianças;
- Natação, lazer, passeios de pedalinho / barcos;
- Vida, shows, balneabilidade, turismo sustentável e emprego;
- Fauna / flora, biodiversidade, pesca / siri, ecologia / paisagem;
- Resistência da Lagoa de Imboassica

O que fazer para salvar a Lagoa:
- Cobrar atitude dos secretários de Obras, Meio Ambiente e ESANE;
- Cobrar atitude da Prefeitura de Macaé e Rio das Ostras;
- Estudar a Lagoa de Imboassica e aproveitar o que já foi estudado pelo NUPEM, Secretaria de Meio Ambiente e outros;
- Ajudar com projetos às secretarias;
- Buscar parcerias junto a iniciativa privada e pública;
- Cobrar o funcionamento das Estações de Tratamento de Esgoto (ETE);
- Fiscalizar o cumprimento das leis;
- Ajudar no planejamento das redes de esgoto e seu tratamento.

Sabemos que a tarefa não é nada fácil, mas estamos arregaçando as mangas para na próxima semana começar a visitar as secretarias e prefeituras, o Ministério Público e as associações de bairros e conseguir todo o apoio que for necessário.

 Ubiracy Jardim - Engenheiro Civil

    Compartilhe:


publicidade